Uberlândia supera o Paraguai em números de casos e mortos por Covid-19

Entre a última terça-feira (4) e essa quarta-feira (5), Uberlândia registrou 474 casos confirmados para a Covid-19. A Secretaria de Saúde também confirmou quatro óbitos decorrentes da doença. Com a atualização, o número de infectados na cidade salta para 13.754. O total de mortes é de 257 até o momento, superando os números apresentados no Paraguai inteiro, que é de 6.040 infectados e 59 mortes.
A situação preocupa os moradores de Uberlândia, visto que a taxa de ocupação dos leitos disponíveis na rede pública para atender vítimas do novo coronavírus chegou a 77%. Duzentos e vinte pessoas se encontram internadas por causa da doença, sendo que 97 então em leitos de UTIs tanto da rede público, como da privada, outras 123 estão em enfermarias.
Além de travar uma verdadeira guerra contra a Covid-19, Uberlândia também passa por uma crise no comércio. Na tarde da última quarta-feira(5), policiais militares e ambulantes que estavam no centro da cidade entraram em confronto. A confusão começou quando fiscais tentavam remover os ambulantes do local, eles estavam sendo acompanhados pela polícia. Os ambulantes por sua vez, se recusavam a sair e começaram a protestar pelo direito de permanecerem na calçada. Neste momento então os ânimos se alteraram e houve confronto físico entre as duas partes, polícia e ambulantes. A polícia precisou usar de força para desobstruir o aglomerado de pessoas que estavam no local.


Segundo o secretário de Meio Ambiente, João Júnior, os ambulantes eram os alvos da fiscalização, por além de venderem produtos sem seguir a legislação para tal, estavam obstruindo as vias públicas, e por estarem promovendo aglomeração no centro da cidade, que neste momento de pandemia é muito perigoso.
Assim como no Brasil, a população de Uberlândia está dividida entre os munícipes que acreditam nos números divulgados quanto ao coronavírus pela prefeitura, e os que negam que exista tantos números assim.
Leia também: Coronavírus avança rapidamente no Triângulo Mineiro.

Comentários