UFMG mantém terceira posição em ranking nacional de patentes

Destaques

Programação de lives desta quinta-feira (09/04); shows na quarentena

Diversos artistas brasileiros estão realmente envolvidos em entreter o público brasileiro durante esta quarentena voluntária por conta da pandemia...

Mineirão projeta mensagens para profissionais de serviço essencial em sua fachada

O Mineirão tem projetado em sua fachada depoimentos para os trabalhadores de serviços essenciais que precisam ir às ruas...

Juiz de Fora registra primeira morte por coronavírus, além de 58 confirmações

A cidade de Juiz de Fora, na Zona da Mata, registou a sua primeira morte confirmada por conta do...

Live de Marília Mendonça já ultrapassa 3 milhões de visualizações, assista!

Marília Mendonça está realizando neste momento um "Show Live", da sala de sua casa. Com uma iluminação verde e...

Incêndio criminoso atinge uma casa em Tiradentes; veja fotos

Uma casa foi incendiada na manhã desta quarta-feira (8), por volta das 11h20, no bairro Recanto da Serra, em...

A UFMG aparece entre as três instituições brasileiras que mais depositaram pedidos de patentes em 2018, segundo ranking divulgado nessa quinta-feira, dia 14, pela Assessoria de Assuntos Econômicos do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). A lista é encabeçada por duas universidades paraibanas: as federais da Paraíba e de Campina Grande, com 94 e 82 pedidos depositados, respectivamente.

Com 62 pedidos, a UFMG manteve a mesma posição alcançada em 2017. “Nos últimos oito anos, quase sempre ficamos nas três primeiras colocações. Isso é sinal de que mantemos uma regularidade, parâmetro muito importante para nossas atividades de proteção intelectual”, afirma o professor Gilberto Medeiros Ribeiro, diretor da Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica  (CTIT).

O número de depósitos em 2018, no entanto, foi inferior ao de 2017, quando 69 pedidos foram registrados no INPI. Gilberto Medeiros atribuiu essa queda às restrições orçamentárias sofridas pela UFMG desde 2014. “Com isso, perdemos técnicos especializados na redação de patentes, que são, em sua maioria, terceirizados”, afirma o diretor, lembrando que esse cenário traz mais dificuldades para o atendimento das solicitações de proteção científica por parte da comunidade de pesquisadores da UFMG.

Cotitularidade

O número de patentes depositadas pela UFMG é sempre maior do que o divulgado pelo levantamento do INPI. Isso porque muitos pedidos são protocolados em regime de cotitularidade e envolvem pesquisadores de outras instituições que assinam como primeiros titulares. “Muitos são pesquisadores de universidades sediadas em Minas que, na condição de pós-graduandos, desenvolvem pesquisas e processos aqui e voltam para as suas instituições de origem. O INPI não considera essa peculiaridade, que é bem específica da UFMG”, afirma Medeiros. Considerando essa particularidade, a UFMG depositou 76 pedidos em 2018, isto é, 14 na condição de cotitular. Em 2019, o número de patentes depositado até agora pela Universidade chega a 53.

Predomínio das federais

Dos dez principais depositantes do Brasil em 2018, seis são universidades federais (da Paraíba, de Campina Grande, de Minas Gerais, do Rio Grande do Sul, de Rondônia e do Ceará) e três são estaduais (USP, Unicamp e Unesp). A lista tem apenas uma empresa, a Petrobrás, que aparece em quarto lugar.

Leia mais sobre o ranking em matéria publicada no Portal do INPI.

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:


 

- Advertisement -

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail: