Barão de CocaisCongonhasItabiraItabiritoMarianaMineraçãoNotíciasNova LimaOuro PretoOutras cidadesSão Gonçalo do Rio Abaixo
Tendência

Vale anuncia apoio econômico aos municípios mineradores

Mineradora irá oferecer compensação temporária reavaliada a cada três meses aos municípios. Vale tem plano de requalificar empregados para o descomissionamento de barragens e evitar demissões.

Foi com a promessa de manter o diálogo permanente com as prefeituras dos municípios mineradores e a proximidade para ouvir as demandas locais, que a diretoria da Vale recebeu os representantes a Associação de Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (Amig) e os prefeitos de Nova Lima, Itabirito, Congonhas, Mariana, Itabira, São Gonçalo do Rio Abaixo, Belo Vale e Barão de Cocais, realizada no dia 29 de março.

No encontro, o diretor-executivo de Sustentabilidade e Ralações Institucionais da Vale, Luiz Eduardo Osório, anunciou que a mineradora irá oferecer um apoio econômico temporário para as cidades mineradoras, que será reavaliado e aprovado há cada três meses. Ele acrescentou que a doação será avaliada individualmente com cada uma da prefeituras.

O consultor de Relações Institucionais da Amig, Waldir Salvador, ressalta que o estabelecimento de uma nova relação e o apoio às prefeituras é essencial para iniciar o processo de diálogo. “É fundamental que a Vale mantenha essa acessibilidade de forma transparente e definitiva através de reuniões regulares com as prefeituras, especialmente porque o apoio de três meses não muda a realidade dos municípios. Além disso nossos problemas não limitam a arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem). Temos problemas de insegurança por causa das barragens, desemprego, encolhimento da economia local, dentre outros”, afirma.

A Vale esclareceu que a ajuda não está legalmente relacionada aos repasses da Cfem e se comprometeu em manter um fórum de diálogo mensal com a Amig e também com os prefeitos. A AMIG deixou claro na reunião que quer um diálogo direto com asa empresas, “sem intermediários”.

  Sine de Congonhas oferece 127 vagas nesta 5ª (22/08)

O presidente da Amig, Vitor Penido, destacou que todos os municípios sabem da importância que a mineração possui e que o diálogo com as prefeituras é fundamental. “Estamos aqui para somar na defesa da atividade minerária e também pela economia das cidades, mas manteremos nos firmes na cobrança por uma ,” disse.

Humildade

Luiz Eduardo Osório salientou em sua fala que a Vale precisa de um gesto de humildade, de deixar a arrogância de lado, destacando a importância das cidades mineradoras. “As pessoas não moram nos estados ou na União, mas sim nos municípios. Por isso, defendo uma mudança de postura da companhia, aceitando as críticas e assumindo o compromisso de uma empresa cidadã, aberta à escuta e ao diálogo permanente, franco e transparente”. O executivo ressaltou ser fundamental reconstruir a história da mineração nos municípios e em Minas Gerais, defendendo que ela seja sustentável, segura e que fomente os municípios. “Esse é o nosso compromisso”, enfatizou.

Durante o encontro os prefeitos puderam relatar e projetar os impactos econômicos e sociais em áreas como educação, saúde, transporte, que inviabilizam os municípios e também as perdas nas áreas de turismo e comércio. Até mesmo a evacuação da população próxima às barragens tem causado impactos do trânsito e repercutido negativamente. A Vale esclareceu que as evacuações são feitas em conjunto com a Polícia e a Defesa Civil e são organizadas de forma a evitar transtornos à população.

  Anitta abre shows do festival "Viva Mariana Rodeio Show"

Condições das barragens

O diretor- executivo de Minério de Ferro da Vale, Cláudio Alves, disse que como o rompimento da barragem em Brumadinho ainda não teve as causas efetivamente esclarecidas e sendo matéria de investigação, criou-se um ambiente de insegurança e incerteza, que levou todas as empresas de auditoria envolvidas com os laudos de segurança a elevarem os padrões de cálculo da estabilidade das barragens. Embora não tenha ocorrido uma mudança nas condições das barragens, foram adotados critérios mínimos mais rigorosos. “O processo de certificação de segurança de todas as barragens estão sendo finalizadas para a certificação. Serão analisadas todas as 105 barragens da Vale que existem no estado”, informa.

O prazo de encerramento para a entrega do laudo de estabilidade, foi no dia 31 de março. De acordo com Cláudio existem sete barragens com alerta de risco sendo que quatro estão com o alerta 3 e outras três estão com alerta 2 e não há perspectivas de incluir mais nenhuma barragem em alertas 2 ou 3, que levariam a uma evacuação. As estruturas de maior risco já tiveram o plano de ações de emergência de barragens minerais acionados e as populações foram evacuadas. “Não há perspectiva de acionar mais nenhum plano, a não ser que haja alguma ação do Mistério Público”, explica.

Os executivos informaram ainda que o processo de descomissionamento das barragens será realizado no menor tempo possível, sendo necessário a interrupção das atividades. Foram desativadas para descaracterização, barragens construídas pelos método de alteamento a montante: Vargem Grande, Minas de Abóboras, Fourquilhas I, II e III e Grupo, Mina de Fábrica, B3 e B4, Mina de Mar Azul, Sul Superior, Mina de Gongo Soco, Fernandinho, Mina Abóboras, 8B, Mina de Águas Claras, B1 e Mina de Córrego do Feijão, que apesar de ter se rompido também será descomissionada.

  "Será uma grande festa", diz Maraisa sobre o show da dupla em Mariana (MG), em entrevista ao Mais Minas

A Vale deu entrada no processo para o descomissionamento das barragens no dia 22 de março e cada um será tratado de forma individualizada e que pode levar em média a três anos.

A Vale confirmou também que a diminuição da produção mineral no Estado de 40 milhões de toneladas por ano é irreversível pelo período de um a três anos  para o descomissionamento das barragens.

Desemprego

Cláudio Alves informou que para a realização dos projetos de descomissionamento haverá uma demanda grande de mão-de-obra e a Vale tem como plano, requalificar os empregados sem provocar demissões. Quanto às unidades paralisadas por ordem judicial ainda não há uma definição sobre como proceder.

Luiz Eduardo Osório afirmou ainda que a Vale não tem planos de sair de Minas Gerais e entende o compromisso que possui com o estado. “Estamos preparando investimentos econômicos e de desenvolvimento social para Minas Gerais, inclusive para ajudar na busca de novas vocações nas áreas econômica, educacional, aproveitamento de rejeitos e também com novos projetos nas áreas de metálicos e de energia”, disse.

Fechar