ColunasLiteraturaUniverso dos Livros

A menina que roubava livros

Qualquer amante da literatura colocaria as mãos no fogo para defender o poder das palavras, o enorme magnetismo que podemos transmitir se as dominarmos bem, se soubermos usá-las adequadamente. As palavras são uma faca de dois gumes, pode servir para construir um mundo melhor, mas também pode mover um povo à histeria em massa e causar uma revolta, uma guerra, um massacre…

Este é o jogo que enfrentamos quando lemos “A menina que roubava livros”, do jovem escritor australiano Markus Zusak. Ele nos leva a refletir sobre como o efeito das palavras move os personagens em seu romance.

A primeira peculiaridade desse romance é seu narrador, ou melhor, narradora: a morte. É ela quem nos conta em primeira pessoa a história de Liessel, uma alemã que descobre durante a Segunda Guerra Mundial o prazer da leitura e o horror da guerra. Eu sei o que você está pensando: mais um romance sobre o assunto do Holocausto. E parece que essa questão, pelo menos no nível literário, está novamente “na moda”, mas, embora ele lide com esse assunto habitual, ele o faz de uma perspectiva peculiar.

  Água com limão em jejum: quanto sentido tem nessa prática?

Neste romance, encontramos o amor pela leitura (e também pela escrita) que o autor sente e que nos transmite através de sua protagonista, aquela garota que recolhe todos os livros que encontra e os transforma em seus bens mais preciosos. A leitura desses livros terá um poder positivo sobre ela e aqueles que cruzam seu caminho.

Com uma narrativa simplificada, por vezes acentuada e seca, como era de esperar, no caso da morte, às vezes poética, Markus Zusak usa o flash-forward, que ao contrário do

flash-back (que nos mostra eventos passados no passado), nos mostra um futuro que ainda não aconteceu, baseado no conhecimento futuro que essa narradora excepcional tem.

  Marta Porto lança livro "Imaginação", neste sábado, em BH

Vale a pena a leitura!

Leia também: O sumiço de T. F. Portsan

Fechar