Aleitamento Materno: A principal oportunidade de se ofertar um alimento perfeito

Publicado: última atualização em 0 comment

O aleitamento materno é de fundamental importância para o crescimento e desenvolvimento infantil, desse modo, recomenda-se que seja feito de forma exclusiva até os seis meses de idade, sem a necessidade da oferta de outros alimentos ou bebidas, nem mesmo água, visto que o leite materno é capaz de fornecer todos os nutrientes que o bebê precisa durante esse período da vida. Orienta-se, também, que após os seis meses a amamentação seja complementada com novos alimentos, mas mantida até pelo menos o segundo ano de vida da criança.

O leite materno é uma importante fonte de nutrição para o lactente, pois é composto por proteínas, gorduras e carboidratos, sendo capaz de proteger a criança contra alergias, desnutrição, obesidade, doenças digestivas, além de ajudar no desenvolvimento da arcada dentária. E diminui, ainda, o risco da ocorrência de colesterol alto, hipertensão e diabetes na fase adulta.

O aleitamento funciona como o principal fator de proteção da saúde da criança, e só possui vantagens: não tem risco de contaminação, está sempre pronto para o consumo, na temperatura adequada sendo de fácil transporte e de baixo custo, pois, quanto mais a mãe amamenta, mais leite é produzido.

O leite materno possui três fases:

  • Colostro: é o primeiro leite produzido pela mãe após o parto; é rico em proteínas, anticorpos, vitaminas e minerais. É considerado a primeira vacina do recém-nascido e protege contra infecções e auxilia no desenvolvimento do intestino imaturo do bebê.
  • Leite de transição: é a segunda etapa da produção do leite materno, e ocorre entre as duas primeiras semanas após o nascimento do bebê. Nessa fase ocorre considerável aumento no volume e do valor calórico do leite, o qual possui maior quantidade de gorduras e vitaminas.
  • Leite maduro: ocorre após as duas semanas do parto, possui produção regulada de acordo com as necessidades do bebê. Durante esta etapa é comum que algumas mulheres pensem que a sua produção de leite diminuiu ou que o leite esteja “secando”, mas essa dúvida não procede, visto que ainda que o leite maduro seja produzido em menor quantidade que o de transição, ele contém todos os nutrientes que o bebê necessita e mesmo em menores quantidades é adequado e suficiente para que o lactente seja bem nutrido.

A amamentação além de nutrir o bebê proporciona benefícios também para as mães, visto que auxilia na criação do vínculo entre a mãe e o filho, ajuda na perda de peso, protege contra doenças cardiovasculares, câncer de mama e ovários, contribui para que o útero volte ao tamanho normal e ainda funciona como um método contraceptivo natural.

Não existe leite fraco! Cada mãe produz o leite com a composição adequada para a nutrição do filho, basta que seja respeitada a livre demanda e ofereça-se o seio materno de acordo com a manifestação de desejo do bebê. O aleitamento pode ser considerado o primeiro ato de amor da mãe para o filho, pois é o primeiro, mais saudável e completo alimento oferecido, o qual , além de tudo, é capaz de gerar benefícios que se perdurarão ao longo vida.

Comentários Facebook

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. aceitar LER MAIS