Estímulo ao Aleitamento Materno: Uma missão curinga na Saúde Pública

Por

Em 1990, em uma reunião no Centro Innocenti da UNICEF em Florença, Itália, foi assinado o documento que ficou conhecido como: Declaração de Innocenti , a qual requeria a implementação do Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite e dos 10 passos para o sucesso da amamentação, além de proteção à maternidade e outras leis e regulamentos inovadores.

Em abril deste ano corrente a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), lançaram uma atualização do guia “10 passos para o sucesso do aleitamento materno”, objetivando aumentar o apoio ao aleitamento materno em todas as instituições de saúde que prestam serviços de maternidade e para recém nascidos; dessa forma os 10 passos constam das seguintes orientações:

  1. Cumprir plenamente o Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno e as resoluções relevantes da Assembleia Mundial da Saúde, além de ter uma política de alimentação infantil por escrito que seja rotineiramente comunicada à equipe e aos pais; e estabelecer sistemas contínuos de monitoramento e gerenciamento de dados.
  2. Treinar devidamente a equipe de modo que a mesma tenha conhecimento, competência e habilidades suficientes para apoiar a amamentação.
  3. Informar a todas as gestantes e familiares sobre a importância da amamentação e instruir a maneira correta como esta deve ser feita.
  4. Auxiliar as mães a iniciar a amamentação ainda na primeira meia hora após o parto;
  5. Mostrar às mães como manter a amamentação e a lactação mesmo em caso de se separarem de seus filhos;
  6. Não oferecer ao recém-nascido outra bebida ou alimento além do leite materno, exceto em casos de indicação médica específica;
  7. Permitir e promover o alojamento conjunto 24 horas por dia, ou seja, possibilitar que as mães e os bebês permaneçam juntos.
  8. Incentivar a prática da amamentação sob livre demanda, ou seja, sem horários definidos, mas de acordo com a vontade do bebê;
  9. Não oferecer bicos artificiais ou chupetas para recém-nascidos e lactentes;
  10. Encorajar as mulheres a buscar grupos ou outros serviços de apoio à amamentação após a alta da maternidade.

O estímulo ao aleitamento materno é um ato de indescritível importância para a saúde pública, visto que proporciona benefícios tanto para a mãe quanto para o bebê, e ainda,vale ressaltar que, conforme agências da Organização das Nações Unidas (ONU), se todos os bebês fossem amamentados nos primeiros dois anos de vida seria possível salvar anualmente a vida de mais de 820 mil crianças com menos de cinco anos1.

A amamentação é um gesto simples que ocorre de mãe para filho sendo iniciado logo nas primeiras horas após o nascimento, mas que atua como garantia de resultados extraordinários para toda a vida.

Referencia

Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5631:oms-e-unicef-lancam-novas-orientacoes-para-promover-aleitamento-materno-em-unidades-de-saude-de-todo-o-mundo&Itemid=820 . Acesso em 13/08/2018 às 21:20.

Leia também: Com aleitamento materno a base vem forte

Deixe seu comentário

Postado em 14 de agosto de 2018