Agência Nacional de Mineração faz vistoria em barragem de Brumadinho

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Incêndio em fábrica de Ribeirão das Neves deixa uma pessoa ferida

Um senhor de idade ainda não divulgada foi vítima das chamas que atingiram a fábrica de tecido Ematex, localizada...

Vale é obrigada a retirar animais de área de barragem em Ouro Preto

Após elevação do nível 2 de emergência na mina Doutor, em Ouro Preto, ocorrida na última quarta-feira, 1º de...

Cadastro para receber auxílio emergencial de R$ 600 começará na terça-feira (7)

O Governo Federal lança na próxima terça-feira (07.04) um aplicativo para os trabalhadores sem cadastro nos programas sociais inserirem...

Como higienizar compras feitas por delivery durante a quarentena

Os brasileiros que já estavam se adaptando aos aplicativos que oferecem o serviço de delivery de comida pronta, como...

Praça da Liberdade e Parque JK são interditados pela Prefeitura de Belo Horizonte para evitar aglomerações

A partir do próximo sábado (4), a Praça da Liberdade, no bairro Funcionários, e o Parque JK, no bairro...

Na manha desta quinta-feira (21), a Agência Nacional de Mineração (ANM) fez uma inspeção na Barragem B6, em Córrego do Feijão, em Brumadinho. A estrutura é da mineradora Vale e fica ao lado da que se rompeu no dia 25 de janeiro. Nos dados divulgados nessa terça-feira (19) pela Defesa Civil, a barragem em questão não está entre as barragens com nível de alerta ativo em Minas Gerais.

Os operários da barragem fizeram um vídeo que apresentava uma lama espessa passando pelas canaletas da barragem. Assustados, eles diziam que o material fazia parte do rejeito que fica no fundo da estrutura e que ela seria uma “bomba relógio”.

De acordo com o Ministério Público, uma empresa de auditoria técnico acompanhou a inspeção e deve avaliar os documentos enviados pela Agência Nacional de Mineração e pela Vale.

Apesar do rompimento da barragem B1 ter destruído toda a área administrativa da Vale e parte do vilarejo de Córrego do Feijão, a B6 ficou intacta,  e os problemas de drenagem apresentados, segundo o Ministério Público, foram controlados e estabilizados.

Após o ocorrido, a Vale divulgou uma nota informando que a barragem B6 estaria segura e que não houve alteração em sua estabilidade. De acordo com ela, a umidade nos tapetes é resultado das chuvas e que o material encontrado nas canaletas é proveniente do rompimento de janeiro, na barragem B1, sem comprometimento da estrutura B6.

 

- Advertisement -