Take a fresh look at your lifestyle.

Os cuidados da arquitetura e decoração para a vivência na terceira idade

Pensar em uma casa segura não implica em deixá-la menos bonita. Pelo contrário!

No próximo dia 1 de outubro é celebrado o Dia Internacional do Idoso – data promulgada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e instituída no Brasil em função da vigência do Estatuto do Idoso.

Com o aumento da expectativa de vida da população brasileira – que segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE) indica uma média de 75,8 anos para homens e mulheres –, é importante cuidar de pontos relacionados à saúde e bem-estar. Nesse contexto está incluída a necessidade de pensar e planejar uma casa adequada para a terceira idade. Um projeto de arquitetura e decoração para idosos deve seguir orientações específicas para que a segurança e beleza possam estar presentes em todos os ambientes.

Especializados, o time de profissionais Carmem Avila, do escritório Carmem Avila ArquiteturaCris Paola, do Studio Cris Paola, e Andrade & Mello Arquitetura, de Erika Mello e Renato Andrade, pontuam as providências que farão toda diferença na vida do morador:

1.  Iluminação

Paredes claras e ampla iluminação natural – Projeto Carmem Avila. (Foto: Rafael Renzo)

Problemas de visão são comuns nesta fase da vida. Dessa forma, uma casa banhada de luz natural facilita a vida do morador. “Portas e janelas devem ser grandiosas para oferecer o máximo de luz dentro da residência. Para complementar, na pintura das paredes, recomendo optar a cor branca ou mesmo seguir uma paleta de tons claros“, conta Carmem.

Projeto do escritório Andrade & Mello. (Foto: Luís Gomes)

Outra recomendação bastante válida está relacionada à instalação de pontos de luz nos corredores e locais de circulação intensa. Além do teto, a iluminação indireta, na altura do rodapé, ajuda o morador na locomoção noturna, quando acorda para beber uma água na cozinha, por exemplo. Esse cuidado evita quedas e batidas inesperadas, como o corredor realizado pelo escritório Andrade & Mello Arquitetura, que destaca a iluminação no piso por meio de balizadores de led, que orientam o caminho. “A potência das lâmpadas rebate no teto branco e ilumina harmoniosamente”, afirma Renato Andrade.

2. Desníveis e escadas

Evitar desníveis – mesmo que em pequenas escalas –, é outra indicação importante. Caso não seja possível, a sinalização se faz essencial. Para o projeto de escadas, recomenda-se sua execução em piso antiderrapante e sempre acompanhadas por um corrimão firme instalado à altura de 90 cm.

3. Portas

O ideal é que elas disponham de largura suficiente para a passagem do idoso com auxílio de andador, por exemplo. A recomendação é considerar um espaço de 90 cm e, caso não seja possível, que não seja inferior a 80 cm.

Projeto da Arquiteta Carmem Avila privilegia a luz natural e apresenta porta ampla para a movimentação do morador. (Foto: Rafael Renzo)

4. Tapetes e pisos

Projeto Cris Paola. (Foto: Hamilton Penna)

O uso de tapete costuma ser fator de quedas e acidentes em residências de moradores da terceira idade. “Mas isso não quer dizer deva ser desconsiderado”, afirma Cris Paola. Em uma sala, o tapete deve estar embaixo do sofá com as pontas fixadas com fitas antiderrapantes.

Com relação ao piso, a orientação é escolher por modelos antiderrapantes. O mercado oferece diversas opções de porcelanato, cerâmica e até mesmo versões emborrachadas.

5. Móveis

Projeto Korman Arquitetos. (Foto: Gui Morelli)

À despeito de móveis, quinas de peças baixas, que ficam fora da visão devem ser evitados, assim como objetos de decoração. Prateleiras e armários devem seguir a altura dos idosos, para que não precisem se esticar ou subir em escadas quando forem pegar objetos e, no sofá, almofadas colaboram para o ajuste da postura e o auxílio na hora de levantar.

6. Banheiro

O banheiro deve ser adaptado cuidadosamente. Instalação de barras de apoio, piso antiderrapante no box e assento para banho são precauções básicas a serem tomadas. “Considere instalar as barras de segurança também no lavatório e bacia sanitária, que deve ser um modelo mais alto que o padrão“,completa Carmem.

A funcionalidade deve ser marca registrada em todos os projetos e para todas as idades. Saber as necessidades e entender a rotina dos moradores é essencial para que um projeto bem planejado garanta a autonomia de quem vai utilizá-lo.

 

Sobre Carmem Avila Arquitetura

Projetar é a grande paixão do escritório comandado pela arquiteta Carmem Avila, que se destaca pela atenção aos detalhes na composição de volumes, cores, luz e texturas.

Formada Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, Carmem Avila trabalhou durante alguns anos como colaboradora em diversos escritórios – Heloisa Maia Campos, ATP Arquitetura, Brasil Arquitetura e Futurebrand, entre outros –, onde solidificou sua formação até iniciar uma carreira a solo em 2004.

Entre 2009 a 2013 atuou docente do curso Design de Interiores na Escola Panamericana de Arte de São Paulo. Em 2013, foi uma das finalistas no concurso IDEA BRASIL, dentro da categoria Living Rooms and Bedrooms, com o Projeto do Cabideiro Ondas.

www.carmemavila.com.br

@carmemavila

Close