Astrônomos revelam primeira imagem de um buraco negro: um ‘monstro’ três milhões de vezes maior que a Terra

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Estudante da UFOP é encontrado sem vida e Covid-19 por ter sido a causa da morte

O corpo de um homem de idade ainda não informada foi encontrado na noite dessa sexta-feira (4) dentro de...

Coronavírus: crianças homenageiam profissionais da saúde de Congonhas

Os profissionais de saúde de Congonhas foram surpreendidos com palavras e desenhos de gratidão de dezenas de crianças congonhenses....

Incêndio em fábrica de Ribeirão das Neves deixa uma pessoa ferida

Um senhor de idade ainda não divulgada foi vítima das chamas que atingiram a fábrica de tecido Ematex, localizada...

Vale é obrigada a retirar animais de área de barragem em Ouro Preto

Após elevação do nível 2 de emergência na mina Doutor, em Ouro Preto, ocorrida na última quarta-feira, 1º de...

Cadastro para receber auxílio emergencial de R$ 600 começará na terça-feira (7)

O Governo Federal lança na próxima terça-feira (07.04) um aplicativo para os trabalhadores sem cadastro nos programas sociais inserirem...

O buraco negro tem 40 bilhões de quilômetros de diâmetro, cerca de três milhões de vezes maior que a Terra, e foi descrito pelos cientistas como “um monstro”, segundo a BBC. Está a 500 milhões de milhas de distância, dentro da galáxia M87, e foi fotografado por uma rede de oito telescópios ao redor do mundo.

A imagem mostra um anel brilhante alaranjado (ou avermelhado) formado enquanto a luz é esticada em torno da gravidade extremamente forte em torno do buraco negro, que é 6,5 bilhões de vezes mais massiva que o Sol. A sombra que vemos mostra os efeitos que a gravidade tem nas ondas de rádio emitidas a partir da matéria em torno do buraco negro em uma região mais ampla do que a sua borda. Assim, a gravidade muda a forma do espaço e do tempo, gerando essa estranha sombra circular.

A divulgação foi feita após conferências de imprensa realizadas simultaneamente em Bruxelas, Lyngby, Santiago, Xangai, Tóquio, Taipei e Washington.

Como a foto foi tirada:

Para capturar a imagem do buraco negro, os pesquisadores combinaram a potência de oito radiotelescópios em todo o mundo usando uma tecnologia chamada interferometria de linha de base muito longa (VLBI, sigla do inglês para Very-Long-Baseline Interferometry), de acordo com o European Southern Observatory. Isso cria um telescópio virtual quase do mesmo tamanho que a Terra.

Mais de um ano de trabalho foi necessário para re-transcrever os dados na foto. Por segurança, o trabalho foi feito quatro vezes.

O processo de obtenção da foto foi difícil porque os cientistas precisavam de bom tempo em todas as oito partes do mundo onde os telescópios estavam. Para reduzir a chance de chuva, eles foram construídos em regiões áridas, como o Pólo Sul ou o deserto do Atacama no Chile.

 

- Advertisement -