Take a fresh look at your lifestyle.

Como chega o Cruzeiro para o Brasileirão 2018?

O Mais Minas analisa se a equipe celeste entra para brigar pelo título ou para alcançar objetivos mais modestos

Início de Brasileirão e as mesmas manchetes e previsões se repetem: Quem é o favorito? Onde seu time pode chegar? Tal time é bom, mas precisa de elenco. E nessa levada o Cruzeiro tem sido apontado como um dos grandes favoritos ao título brasileiro por toda a imprensa nacional. Mas esses mesmos jornalistas já demonstraram muitas vezes um parco conhecimento do futebol jogado fora do eixo Rio-São Paulo com informações sem sentido algum sobre o futebol Mineiro. Por isso aqui faremos uma análise pautada naquele que mais conhece sobre o clube, o torcedor.

O Cruzeiro inegavelmente tem um dos elencos mais qualificados do país, com jogadores como Thiago Neves e Arrascaeta, um ótimo técnico e uma base já montada e campeã. É normal que qualquer um que veja esses fatores associe o Cruzeiro a um time candidato ao título brasileiro. Mas o torcedor azul tem um pé atrás com o time e sabe que a equipe tem seus problemas.

O primeiro é a inconstância contra times mais qualificados. O Cruzeiro fez cinco jogos na temporada contra times de nível semelhante. Venceu muito bem dois deles, ambos contra o grande rival Atlético-MG. E perdeu mais dois, apresentando um futebol horrível, sendo um deles também contra o Atlético-MG e o outro contra o Racing-ARG. Além desses, o Cruzeiro não saiu do empate contra o Vasco da Gama, jogando mal e deixando o campo vaiado por seus torcedores. E fica a incógnita na cabeça do torcedor, quais desses é o verdadeiro Cruzeiro? O que esbanjou raça no segundo jogo da final do Mineiro, demonstrando ser um time verdadeiramente temível ou o aquele que irritou a torcida num jogo sem qualquer inspiração contra o Vasco?

O segundo ponto é o futebol de alguns jogadores. A última impressão foi maravilhosa, mas, antes do clássico, alguns jogadores vinham tendo atuações sofríveis como era o caso de Rafinha, Robinho, Ariel, Henrique, Léo e de certa forma, até Thiago Neves. A qualidade de decisão do camisa 30 acaba mascarando um pouco partidas de pouco futebol apresentado.

A média de idade do Cruzeiro também preocupa. Dos onze jogadores que iniciarão o jogo deste sábado contra o Grêmio, atualmente os considerados titulares, dez terminarão 2018 com 30 anos ou mais. Isso numa temporada inchada como a brasileira pode ser um problema devido a desgaste físico e lesões. Além de uma das maiores críticas ao futebol do time se dar pela lentidão dos atletas, principalmente no meio de campo.

Você pode estar se perguntando “ah, mas você só falou coisas ruins”. De certo modo essa é a intenção, pois os meios hegemônicos de imprensa focam apenas nos resultados e analisam erroneamente as situações das equipes. Como dito acima, o time do Cruzeiro é sim fortíssimo e candidato a tudo que disputar, mas também tem seus problemas pontuais e que são muitas vezes ignorados, assim como acontece nos times de São Paulo e Rio, muitas vezes superestimados.

Na minha opinião os grandes favoritos para esse brasileiro são Grêmio, que pode ser prejudicado na corrida pelo método de Renato Gaúcho de priorizar a Libertadores, e o Corinthians da escola Tite, que parece ter nascido pra ganhar esse tipo de competição. Podendo postular ao título e com grandes chances de ficar no G4 vem o Cruzeiro, pela base forte de anos e nomes de peso do elenco, junto ao Palmeiras pelos grandes investimentos, mas que peca pela fala de continuidade tanto de atletas quanto de principalmente, treinador.

Leia também:

Close