O que você procura?


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Justiça britânica rejeita ação bilionária contra a BHP envolvendo a tragédia em Mariana

Rodolpho Bohrer 9 de novembro de 2020 às 16:51
Tempo de leitura
3 min
Foto: Antônio Cruz / Agência Minas
Foto: Antônio Cruz / Agência Minas

Quatro dias após o rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana, completar cinco anos, o juiz Mr. Justice Turner, da alta corte em Manchester, decidiu extinguir o processo contra a BHB Billiton, uma das acionistas da Samarco, por entender que se trata de uma ação abusiva e e que não há jurisdição para julgamento do caso na Inglaterra. A tragédia de Mariana, ocorrida em 2015, matou 19 vítimas, contaminou o Rio Doce e destruiu comunidades. O processo na Europa foi apresentado pelo escritório anglo-americano SPG Law, hoje PGMBM.

O prefeito de Mariana Duarte Júnior viajou para a Inglaterra no mês de julho, aconselhado pelos advogados do escritório do PGMBM, com sede em Liverpool, e participou da audiência em que o município de Mariana, juntamente com outras dezenas de municípios atingidos direta ou indiretamente pela lama, além de centenas de empresas e comunidades indígenas, impetrava o pedido para que a Justiça britânica aceitasse julgar a chamada “Ação Mariana”. A ação seria, em relação ao números de vítimas, o maior processo do Reino Unido e o segundo maior em relação a valores financeiros, que chegariam a 5 bilhões de euros. A ação chega a incluir cerca de 200 mil pessoas.

Antes de viajar para a Europa, o prefeito de Mariana fez duras críticas ás empresas acionistas da Samarco, afirmando que era inadmissível que a primeira e a segunda maiores mineradoras do mundo, se referindo à Vale e a BHP Billiton, não deem a atenção devida para Mariana, já que as duas empresas estão há 44 anos tirando a riqueza mineral do solo da cidade e não estão dando “a resposta necessária”, citando que foi muito pouco o que foi entregue até o momento pela Fundação Renova, que isso é “uma maldade incalculável”.


Após a decisão do juiz britânico, considerada de primeira instância, publicada nesta segunda-feira (9), os advogados de defesa pretendem pedir uma autorização à Corte Superior de Manchester para recorrer da decisão, já que o escritório que defende os atingidos pela lama considera que a ação internacional não é abusiva.

Já a BHB Billiton, em nota, entende que a decisão da Corte Superior de Manchester “foi clara ao acolher a posição da BHP e extinguir o processo movido contra a empresa na Inglaterra” e que o processo no Reino Unido “era desnecessário por duplicar questões cobertas pelo trabalho em andamento da Fundação Renova e que são, ou foram, objeto de processos judiciais em andamento no Brasil.”

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 3 de setembro de 2021 às 19:04