A catastrófica eliminação na Copa do Mundo de 2022, diante da Croácia, pôs fim, de forma melancólica, à era do técnico Tite à frente do Brasil, que teve dois bons ciclos, mas quedas traumáticas no Mundial. A derrota para a Croácia nas quartas de final do torneio decepcionou muitos apostadores online, como os do esporte bet , que tinham no Brasil uma aposta segura.

Agora, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vai ao mercado em busca de um novo comandante para a pentacampeã.

O grande debate do momento é se a Seleção Brasileira deve quebrar o conservadorismo e tentar a contratação de um técnico europeu. Afinal, muitos analistas e torcedores colocam o incômodo jejum de títulos mundiais da Canarinho na conta dos treinadores brasileiros, que não possuem expressão fora do cenário nacional. O nome mais comentado desde a saída de Tite foi a do consagrado italiano Carlo Ancelotti, mas outros “gajos” são opções.

Carlo Ancelotti

O currículo de Ancelotti fala sozinho. Aos 63 anos, o ex-volante já conquistou quatro Champions Leagues, sendo duas pelo Milan e duas pelo Real Madrid. O treinador tem em seu estilo o trunfo de conseguir montar times extremamente equilibrados, que conseguem conciliar defesas fortes e ataques poderosos.

Outro ponto que depõe a favor de Ancelotti é a histórica boa relação com talentos brasileiros. No Milan, o técnico montou um time voltado para Kaká, que vivia grande momento, além de ter trabalhado, de forma bem-sucedida, com Cafu, Alexandre Pato, Ronaldo e Serginho. Atualmente, no Real Madrid, o trio de jovens composto por Rodrygo, Vinícius Júnior e Eder Militão é fundamental para o funcionamento da equipe de “Carleto”.

Informações iniciais dão conta que Carlo Ancelotti teria interesse