Países liderados por mulheres são melhores na luta contra a pandemia

O colunista de opinião Nicholas Kristof, do The New York Times, compilou as taxas de mortalidades por coronavírus em 21 países ao redor do mundo, sendo 13 liderados por homens e oito por mulheres, e a conclusão foi que as líderes femininas são melhores na luta contra a pandemia, já que o ego masculino fez com que países liderados por homens, como EUA, Brasil, Rússia e Irã confundisse a resposta de combate à Covid-19.

Os países liderados por homens sofreram uma média de 214 mortes relacionadas ao coronavírus a cada um milhão de habitantes. Os liderados por mulheres perderam apenas 36 pessoas a cada milhão. Se os Estados Unidos, por exemplo, tivessem a taxa de mortalidade por coronavírus do país liderado por mulheres, 102 mil vidas americanas teriam sido salvas em detrimento das 114 mil vidas perdidas.

“Os países liderados por mulheres parecem ser particularmente bem-sucedidos no combate ao coronavírus”, observou Anne W. Rimoin, epidemiologista da Universidade da Califórnia. “Nova Zelândia, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Islândia, Noruega se saíram tão bem, talvez devido à liderança e estilos de gestão atribuídos às suas líderes femininas ”.

O jornalista colunista do NYTimes ressalta que não é que os líderes que melhor administraram o vírus fossem mulheres. Mas aqueles que confundiram a resposta eram todos homens, e principalmente um tipo particular: autoritário, vaidoso e arrogante, perfil de líderes como Boris Johnson, na Grã-Bretanha, Jair Bolsonaro, no Brasil, Aiatolá Ali Khamenei, no Irã, e Donald Trump, nos Estados Unidos.

Praticamente todos os países que sofreram mortalidade por coronavírus a uma taxa superior a 150 por milhão de habitantes são liderados por homens.

“Não acho que seja coincidência que alguns dos lugares mais bem administrados tenham sido administrados por mulheres: Nova Zelândia, Alemanha, Taiwan”, ponderou Susan Rice, que era assessora de Segurança nNcional do presidente Barack Obama.

“Muitas vezes brincamos que motoristas homens nunca pedem orientações”, observou o Dr. Ezekiel Emanuel, da Universidade da Pensilvânia. “Na verdade, acho que há algo a fazer também em termos de liderança das mulheres, em termos de reconhecimento de especialistas e de pedir conselhos aos cientistas”.

Os líderes que lidaram melhor com o vírus foram os que consultaram humildemente especialistas em saúde pública e agiram rapidamente, e muitos eram mulheres; em contrapartida, os autoritários do sexo masculino que estragaram o combate imediato à pandemia suspeitaram de especialistas, sempre muito cheios de si mesmos.

Deixe seu comentário