NotíciasTragédia

A passagem do ciclone Idai já deixou mais de 150 mortos no sul da África

Segundo estimativas da Unicef, quase 850 mil pessoas, metade das quais são crianças, foram atingidas por graves inundações no Malawi e em Moçambique, e o número deverá aumentar à medida que o ciclone Idai se desloca para oeste e o impacto do ciclone se torna mais evidente.

O ciclone tropical, que carrega fortes chuvas e ventos de até 170 km / h, enfatiza a Unicef ​​em nota, chegou quinta-feira à noite no porto da Beira, a quarta maior cidade de Moçambique, deixando 500 mil moradores sem linhas de energia de comunicação. Em todo Moçambique, de acordo com as estimativas iniciais do governo, 600.000 pessoas foram afetadas, das quais 260.000 são crianças. “Centenas de milhares de crianças já viram suas vidas devastadas por enchentes, e agora o ciclone Idai trouxe mais sofrimento às famílias em seu caminho “, disse Leila Pakkala, Diretora Regional do UNICEF para a África Oriental.

Embora a magnitude do impacto do ciclone ainda não esteja totalmente clara, é provável que isso inclua danos a escolas e hospitais, infraestruturas de água e saneamento, obstáculos ao acesso à água potável para comunidades afetadas, aumentando assim o risco de doenças transmitidas pela água, a destruição das casas das pessoas e causando maiores riscos de proteção, particularmente de mulheres e crianças, explica a organização. Desde o início de março, as inundações causadas pelo ciclone Idai afetaram mais de um milhão de pessoas e causaram pelo menos 145 mortes.

Em declarações à Rádio Moçambique, o Presidente Filipe Nyusi disse temer que mais de mil pessoas possam ter morrido na intempérie que desde final da semana passada está varrendo o sudeste africano.
Nas palavras de Filipe Nyusi, o país enfrenta uma tragédia de escala “gigantesca”, um cenário em que, ao sobrevoar as zonas afetadas pelas inundações, pode se ver cenários de corpos flutuando sendo levados pelas correntes de água.

Fechar