Tradicional bloco Vermelho i Branco sai às ruas de Ouro Preto e agita foliões de diversos lugares

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Resultado da Mega-Sena 2249, Quina 5238 e outras loterias de sábado (04/04)

Aconteceu na noite deste sábado, 04 de abril de 2020, os sorteios da Mega-Sena, Dia de Sorte, Quina e...

Estudante da UFOP é encontrado sem vida e primeiro exame para Covid-19 dá negativo

O corpo de um homem de idade ainda não informada foi encontrado na noite dessa sexta-feira (4) dentro de...

Coronavírus: crianças homenageiam profissionais da saúde de Congonhas

Os profissionais de saúde de Congonhas foram surpreendidos com palavras e desenhos de gratidão de dezenas de crianças congonhenses....

Incêndio em fábrica de Ribeirão das Neves deixa uma pessoa ferida

Um senhor de idade ainda não divulgada foi vítima das chamas que atingiram a fábrica de tecido Ematex, localizada...

Vale é obrigada a retirar animais de área de barragem em Ouro Preto

Após elevação do nível 2 de emergência na mina Doutor, em Ouro Preto, ocorrida na última quarta-feira, 1º de...

O tradicional Bloco Vermelho i Branco, de Ouro Preto, saiu às ruas durante a noite de ontem, quinta-feira (20), acompanhado por muitos foliões vestidos caracteristicamente com peças vermelhas e brancas. Seu cortejo sai da rua Bernardo Guimarães, passando pelo Largo do Rosário, rua Getúlio Vargas, praça Silviano Brandão, Rua São José até a praça Reinaldo Alves de Brito (praça do cinema) e retorna.

No último ano, de acordo com a Prefeitura de Ouro Preto, o bloco contou com 17 mil foliões e uma banda de 40 músicos. Segundo um dos coordenadores do bloco, Zezinho Pintinho, a expectativa para o Vermelho i Branco é de algo tradicional e hereditário. “A gente acredita que haverá uma sucessão e vai poder até modernizar mais o bloco. Embora a gente sempre bata na tecla que a tradição tem que ser mantida da forma que está sendo, de marchinhas e na quinta-feira. Isso não pode ser mudado”, explica.

Ainda em questão da tradicionalidade, o cortejo sair às quintas-feiras faz parte da história do bloco, além de antecipar o início dessa época tão esperada. “Há 37 anos atrás o carnaval era domingo, segunda e terça, não tinha sequencia igual hoje. O coordenador, para contestar isso, saiu o bloco na quinta-feira, o que era completamente inédito. Ninguém fazia carnaval na quinta e isso se mantém até hoje”, conta o atual coordenador.

Tradicional bloco Vermelho i Branco sai às ruas de Ouro Preto e agita foliões de diversos lugares
Zezinho Pintinho, Coordenador – Crédito da foto: Rômulo Soares/Mais Minas

Além da expectativa da coordenadoria, os foliões também estavam presentes nas ruas para prestigiar o bloco. Gustavo Peres veio de São Paulo para prestigiar o carnaval de Ouro Preto pela primeira vez e afirma estar com as expectativas em alta para a folia, além de ter se encantado com a beleza da cidade.

Trajado com a camisa do seu time, São Paulo, as cores vermelho, branco e preto colaboraram com a característica do bloco. “Eu sempre viajo com a manta do São Paulo e me avisaram que teria o Vermelho i Branco, eu não sabia, e então pensei em vir com a camisa do São Paulo”, conta o turista.

Tradicional bloco Vermelho i Branco sai às ruas de Ouro Preto e agita foliões de diversos lugares
Gustavo Peres prestigiando pela primeira vez o carnaval de Ouro Preto – Crédito da foto: Rômulo Soares/Mais Minas

Rafael Viera, natural de Volta Redonda, interior do Rio de Janeiro, e estudante da UFOP de Artes Cênicas, também prestigiou o bloco Vermelho i Branco. Um pouco diferente dos outros foliões e em um clima de descontração e criatividade, Rafael apostou em uma fantasia de “chuveiro”, usando as cores vermelho e branco, sem perder a essência do bloco.

Tradicional bloco Vermelho i Branco sai às ruas de Ouro Preto e agita foliões de diversos lugares
Rafael Vieira e sua fantasia criativa – Crédito da foto: Rômulo Soares/Mais Minas

O estudante conta que não é seu primeiro ano no carnaval de Ouro Preto, e que prestigia o bloco todos os anos. “Sempre venho e gosto muito. Além da diversão do carnaval tem toda uma questão cultural, que está nas ruas há anos e anos. Já é uma coisa acima da diversão”, fala Rafael.

Yane Arruda, natural do Rio de Janeiro, também é estudante da UFOP e participa do cortejo há 4 anos. A foliã, vestida de noiva, para se caracterizar com a cor do bloco, diz que as mulheres devem se vestir como se sentem bem, afirmando ainda que não só durante o carnaval, mas em todos os momentos “não é não”.

 

- Advertisement -