O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Mais uma vítima da tragédia em Brumadinho é identificada

O corpo foi encontrado no dia 2 de outubro pelo Corpo de Bombeiros, que atuam nas buscas em Brumadinho há mais de mil dias.

Rômulo Soares 12 de novembro de 2021 às 00:17
Tempo de leitura
2 min
Foto: CBMMG
Foto: CBMMG

Mais uma vítima do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi identificada pela Polícia Civil de Minas Gerais, na última quarta-feira, 10 de novembro. De acordo com o G1, trata-se de Uberlandio Antônio da Silva, empregado terceirizado da Vale, natural do Espírito Santo, que tinha 55 anos no ano da tragédia.

A polícia entrou em contato com a família da vítima para fazer o comunicado. A A tragédia provocou a morte de 270 pessoas, em janeiro de 2019. Com a nova identificação, sete continuam desaparecidas. São elas:


  1. CRISTIANE ANTUNES CAMPOS
  2. LECILDA DE OLIVEIRA
  3. LUIS FELIPE ALVES
  4. MARIA DE LURDES DA COSTA BUENO
  5. NATHALIA DE OLIVEIRA PORTO ARAUJO
  6. OLIMPIO GOMES PINTO
  7. TIAGO TADEU MENDES DA SILVA

A última vítima identificada tinha sido Angelita Cristiane Freitas de Assis, no dia 6 de outubro deste ano.

O corpo de Uberlandio foi encontrado no dia 2 de outubro pelo Corpo de Bombeiros (CBMMG), que atuam nas buscas em Brumadinho há mais de mil dias. A identificação foi feita através dos trabalhos das equipes do Instituto de Criminalística, utilizando o DNA. A informação foi confirmada pela perita criminal da Polícia Civil Ângela Romano, em coletiva de imprensa nesta tarde.

A ossada foi encontrada inteira a oito metros de profundidade e a identificação foi feita por DNA, pois não havia dados suficientes para identificar a vítima através de sua arcada dentária.

Segundo o perito Higgor Dornelas, existem cerca de 30 amostras aguardando identificação ou reidentificação no Instituto Médico Legal (IML). A expectativa é que, com a implantação das chamadas estações de busca, novas identificações aconteçam de forma mais rápida.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.