O que você procura?


Postar fotos e vídeos de crianças nas redes sociais: até onde vale a pena?

Vanessa Barreto Fassheber 10 de novembro de 2020 às 16:18
Tempo de leitura
3 min
Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Olá, pessoal, como vocês estão?

Recentemente vivemos uma situação que “deu o que falar” nas redes sociais: o vídeo de uma briga entre duas irmãs numa festa de aniversário. Para quem não viu, a cena era basicamente a seguinte: a irmã mais nova é a aniversariante e aguarda, diante do bolo, o momento de apagar a vela. A irmã mais velha, ao lado, apaga a vela antes da aniversariante e, diante do olhar raivoso da irmã menor, “dá de ombros” e ainda cruza os braços, numa postura desafiadora. A pequena parte para cima da irmã, agarrando seus cabelos. A cena interrompe os “parabéns” e familiares correm para separar as irmãs.

⁣Seria apenas mais uma cena normal, uma briga corriqueira entre irmãs e facilmente administrável se não fosse por um pequeno grande detalhe: um adulto, que estava presente na festa e, portanto, era conhecido e de confiança das meninas, postou o vídeo nas redes sociais. Muita gente compartilhou, riu, fez piada. As meninas viraram memes e até adesivos de Whatsapp. Foram julgadas por inúmeros desconhecidos. ⁣Comentários falando inclusive da personalidade de cada uma delas (coisa difícil até para um Psicólogo falar só “de olhar” alguém), culpando uma, culpando outra, culpando os pais, e por aí vai.

⁣Crianças não sabem lidar com emoções como os adultos – elas estão em pleno desenvolvimento e precisam de nós para dar exemplos, mostrar o que pode, o que não pode e especialmente para acolhê-las em momentos como estes. Quando um adulto que deveria interromper a cena, acalmä-las e ensinar a cada um o que é certo ou errado opta por filmar a cena e expor nas redes sociais, estas crianças viram meros objetos para olhares de milhares de desconhecidos. E isso é grave, muito grave! Eu realmente fiquei imaginando estas meninas tomando ciência da dimensão de tudo isto, um dia, mais velhas. Talvez achem até engraçado e não se incomodem. Mas elas também podem se sentir usadas, traídas e invadidas, não apenas por todos nós que assistimos e rimos das cenas, mas também adultos pelos que deveriam protegê-las.

A reflexão que hoje aqui proponho é: “o que vale a pena mostrar?”. Um exercício bom é fazer para si a seguinte pergunta: “será que, no futuro, meu filho se envergonharia disto, ou ficaria feliz?”.  Outra pergunta importante: “Esta foto o coloca em risco de alguma forma?”. Basicamente respondendo para si estas perguntas, você já poderá fazer uma escolha mais consciente sobre o que mostrar nas redes sociais.

Tudo bem mostrar os pequenos de vocês. Eu particularmente adoro ver as fotos e vídeos fofos aqui na rede. Mas cuidem muito do conteúdo que vocês colocam: caiu na rede é do mundo e o mundo nem sempre vai ser um lugar seguro. ⁣

⁣Não postem nada do qual um dia seu pequeno pode se envergonhar. Não poste nada que seja uma dor dele, uma vulnerabilidade. Deixe-o um dia escolher sobre isso. Enquanto ele não tem escolha, proteja-o!⁣

* Esse texto é um artigo de opinião do colunista e pode não representar à posição do portal Mais Minas sobre o assunto.

Última atualização em 10 de novembro de 2020 às 16:21