Ultimate magazine theme for WordPress.

Vereador de Mariana faz ligação suspeita durante discussão sobre CPI e causa alvoroço no plenário

Durante a reunião da Câmara de Mariana da última segunda-feira (26), o vereador Manoel Doulgas, do PV, perguntou se quatro vereadores assinariam um pedido de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), de sua própria autoria, para investigar alguns contratos assinados pela Secretaria Municipal de Obras e Planejamento na gestão passada.

No caso, Manoel se referia a Marcelo Macedo e Zezinho Salete, do MDB, Ricardo Miranda, do Republicanos, e Ediraldo Arlindo, do Avante, porém, durante a discussão, o vereador Edson Agostinho, do Cidadania, esqueceu o seu microfone aberto e acabou sendo flagrado supostamente ligando para o Secretário de Governo, Edvaldo Andrade, dizendo: “Tá vendo Edvaldo? Já estão querendo que os quatro assinam lá, entendeu?”

Campanha Unimed

Em contato com a redação do Mais Minas, o vereador autor da CPI, Manoel Douglas, disse que Edson “entregou o ouro” e que “ficou nítida a articulação”.

Veja o vídeo:

Reprodução/Redes sociais

Ex-prefeito de Mariana, Duarte Jr. se pronunciou na noite da última segunda-feira (26), através de nota dizendo que apoia a CPI e que não vai interferir nas investigações. Para Manoel, a ação do vereador Edson na última reunião descredibiliza todo o posicionamento de Du.

LEIA MAIS:  Opinião: prefeito precisa assumir que errou para que debate sobre Saneouro e saneamento suba de nível

“Na verdade, eu vi muito rápido a questão do prefeito, que fazer a CPI é importante e que não teria interferência, mas teve isso na reunião e não precisa falar muito para mostrar que aquele discurso lá é inválido”, disse Manoel Douglas à redação do MM.

A CPI será apresentada até a próxima quinta-feira (29) para que todos os vereadores tenham acesso ao documento. Na última reunião, o vereador Pinico, Marcelo Macedo, Ricardo Miranda e Zezinho Saletti concordaram em assinar o pedido das investigações.

Eu vou apresentar até quinta para todos os vereadores porque eles cobraram que tem que ter documento. Isso foi debatido ontem na Câmara e vai ser protocolado, ainda ninguém assinou por causa desse protocolo na Câmara. Ontem alguns se pronunciaram que poderiam assinar, como o vereador Pinico, agora os que estão confirmados até agora sou eu, Marcelo Macedo, Ricardo Miranda e Zezinho Saletti.

Para a CPI seguir adiante é preciso que haja uma aprovação de 1/3 dos assentos, o que corresponde a cinco vereadores. Um detalhe: quem assinar o pedido não pode compor a comissão.

LEIA MAIS:  Vereador Vander Leitoa, de Ouro Preto, é alvo de nota de repúdio por entidade que defende atingidos da mineração

Até o momento desta publicação, o vereador Edson Agostinho não retornou as nossas tentativas de contato.

Entenda o caso

Após a Federação das Associações de Moradores de Mariana, a FEAMMA, lançar, na última semana, um abaixo-assinado, que já tinha mais de 200 assinaturas, para os vereadores assinarem um pedido de abertura de CPI – de autoria do vereador Manoel Douglas – para investigar alguns contratos assinados pela Secretaria Municipal de Obras e Planejamento na gestão passada.

A CPI é para investigar possíveis irregularidades apuradas pelo próprio membro do Legislativo, sendo uma delas de um suposto pagamento à Construtora Israel para a construção da Capela Velório Padre Pedro Celestino, localizado no distrito de Furquim. De acordo com Manoel, o orçamento previa pouco mais de R$ 280 mil, mas foram pagos mais de R$ 410 mil.

De acordo com Manoel Douglas, foram pagos mais de R$ 130 mil do que era previsto. Dentro dos dados da apuração do vereador, há uma considerável diferença entre as metragens de alvenaria, tendo sido previsto 159,39 m² e calculado medidas de 185,4 m², contudo, a metragem informada para o pagamento foi de 1.219,39 m².

LEIA MAIS:  Ouro Preto: membros da comissão de licitações da antiga gestão serão convocados pela CPI da Saneouro

Pronunciamento de Duarte Júnior

O ex-prefeito de Mariana, Duarte Júnior, que estava à frente da última gestão durante a assinatura desses contratos assinados, se pronunciou na noite desta segunda-feira (26), através das redes sociais. De acordo com ele, seu governo “sempre se pautou pela transparência em seus processos decisórios e executivos” e que “houve uma alta generalizada de preços“, o que pode ter condicionado em um reajuste para que as obras fossem continuadas.

Confira a nota na íntegra clicando aqui.

Inscreva-se para RECEBER diariamente uma lista com as nossas principais notícias. É GRATUITO!

Não enviamos spam! Leia nossa política de privacidade para mais detalhes.

COMENTÁRIOS