O que você procura?


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Afinal, carnaval é lugar de política?

Rômulo Soares 7 de março de 2019 às 14:42
Tempo de leitura
3 min

O carnaval de Belo Horizonte 2019 passou por grandes polêmicas após alguns blocos se manifestarem contra o presidente da República, Jair Bolsonaro. Com isso, o público se dividiu na capital mineira. Enquanto os cantores nos trios elétrico puxam o grito de: “Ele não”, outros gritam “É carnaval, toca música” e, em meio a tudo isso, a Polícia Militar recomendou que posições políticas não sejam expressadas durante o carnaval.

Viviane Fernandes/Foto: Maic Costa – Mais Minas


No domingo de carnaval, o bloco “Chama O Síndico” foi um dos principais blocos de rua de BH com manifestações contra o Governo Federal com gritos de luta contra a censura nos carnavais da capital mineira. Entretanto, também houveram foliões insatisfeitos com o bloco: “Não se mistura carnaval com política. A gente está aqui para divertir, para inclusão também, mas é para se divertir”, declarou a foliã Viviane Fernandes. Apesar de gostar de política, Luciana Marques também não gostou dos protestos no bloco: “Amo política, amo carnaval, mas uma coisa não anda com a outra. “
Já para outros, o carnaval é um ambiente de se manifestar politicamente sim, como declara Gabriel Cristian: “carnaval mistura com política, carnaval é política, nós somos política e devemos sim fazer política, independente do local. O debate é importante e se o ponto de partida for um grito num bloquinho de carnaval, é sim interessante”.  Fernando Modesto também apoia as manifestações se referindo ao carnaval como um movimento: “é importante lembrar das causas sociais do Brasil e, principalmente em Minas Gerais, isso é deixar nossa voz ecoar os cantos do país, a gente está aqui para ser ouvido.”

Gabriel Cristian/Foto: Maic Costa – Mais Minas



Em meio a uma pausa nas músicas no trio elétrico, a professora e primeira mulher transexual candidata a senadora da República, Duda Salabert, foi convidada a falar para as milhares de pessoas presentes no bloco e explicar o motivo de carnaval e política andarem juntos.

Duda Salabert / Foto: Maic Costa – Mais Minas


“Carnaval é um espaço para política sim. Porque é no carnaval que nós invertemos a lógica e criamos um espaço para viver nossas fantasias, nossas utopias, nossos sonhos. É no carnaval que o pobre sai da margem e vai para o centro, é no carnaval que o povo deixa de aplaudir e é aplaudido. É no carnaval que experimentamos a possibilidade de uma sociedade democrática, plural e livre. E é no carnaval que podemos ser quem bem entendermos.”
No fim, a maioria do público ficou junto do bloco e protestou, na medida que dançavam. A divergência de ideias entre alguns não atrapalhou a continuidade na curtição do carnaval e, a diversidade, um dos temas centrais do bloco, foi muito bem explorada na manhã de domingo carnavalesco em Belo Horizonte.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.