Quarentena: necessidade de todos, privilégio de alguns

Temos um ano de 2020 totalmente atípico: já não basta tudo que temos vivido com a incompetente equipe econômica de Paulo Guedes, agora temos presenciado uma situação inédita para todos: confinamento em nossas residências graças ao risco de contaminação com o já famoso coronavírus.

Sem dúvida devemos escutar os epidemiologistas, afinal se tem algo que eles entendem são de doenças, haja vista que estudaram (e muito) para isso. Cumprir a medidas chamada popularmente de quarentena é a maior ajuda que qualquer um pode dar às equipes de saúde do país.

Infelizmente nem todos pensam assim, somos governados por um presidente, no mínimo irresponsável, capaz de colocar toda a população em risco, desrespeitando todas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do corpo médico do Brasil inteiro. Quem poderia imagina, em sã consciência que veríamos em rede nacional o chefe do executivo incentivando a população a desobedecer às orientações dos especialistas? Nada estranho, afinal de contas estamos falando de um sujeito que, entre outras arbitrariedades, nega a Ciência, lamentável…

Infelizmente, graças às bobagens propagadas por Bolsonaro em rede nacional, parte do empresariado está, literalmente, pressionando seus empregados a voltarem a trabalhar, afinal de contas a roda da economia não pode parar, dane-se a vida, que falta faz, como diz um grande empresário que teve o áudio vazado, seis ou sete mil pessoas morrerem?

Ridículo imaginar que tenha gente que pense assim, que seja capaz de supor que a vida vale menos que o dinheiro, não é? O mais triste é que está cheio de gente por aí com um desejo de ganância infinitamente superior à vontade de proteger os mais necessitados.

O empresariado que defende ações como as propostas pelo presidente, sofrem de uma falta de humanidade ímpar, pois ao invés de colocarem somente a si em risco, literalmente deixam somente seus empregados nessa situação, afinal de contas quem será que paga o pato? Claro, o trabalhador. Os donos do poder estão de dentro do seu ar condicionado só dando as ordens!

É bastante triste ouvir das pessoas, muitas com medo, que gostariam de estar em casa, se protegendo e protegendo os filhos, mas por ordens dos seus patrões são impedidos de cumprir as medidas defendidas pelos especialistas em saúde, fazendo com que o confinamento deixe de ser uma medida para todos e passe a ser, por força do Capital, privilégio de alguns.

Por acaso os trabalhadores mais humildes possuem um anticorpo que garanta imunidade ao vírus? São eles armados de algum tipo de proteção natural ao corona? Por óbvio que não, o que temos é apenas a famosa exploração de classe, onde os donos dos meios de produção brincam com a vida dos seus empregados simplesmente por pensar que suas altas taxas de lucro possam vir a diminuir.

Infelizmente o empresariado brasileiro, junto com o atual poder executivo nacional e estadual não representam os que mais necessitam. Entre lutar pela vida humana e defender os interesses do Capital, ambos preferem o segundo, o que é lastimável.

A omissão dos governos, em especial o federal, pode fazer com que nosso país assista a maior tragédia desde a gripe espanhola, do início do século XX, onde 50 milhões de pessoas no mundo todo padeceram graças a essa doença. Até quando seremos governados por lunáticos? Isso já passou dos limites!

É hora de cuidar da vida, não é hora de cuidar da economia, a recessão passa, a vida não, ela é única e deve ser valorizada.

Se você é um dos privilegiados que podem se dar ao luxo de ficar de quarentena, fique, não brinque com a sua saúde e dos seus entes queridos e, por favor, não deixe de rezar e ajudar os que não puderam ter esse direito, afinal o empresariado brasileiro pode ser tudo, menos humano.

Até a próxima.

Pedro Luiz Teixeira de Camargo (Peixe) é Biólogo e Professor, Dr. em Ciências Naturais e Docente do IFMG.

Comentários