Seleções do Brasil têm domingo dos sonhos, mas não podem se iludir

Por

As Seleções Brasileiras tiveram um domingo dos sonhos, tanto no futebol feminino quanto no masculino. Primeiro, na manhã deste domingo (09), a Seleção feminina estreou na Copa do Mundo com um grande resultado. As meninas do Brasil fizeram 3 a 0 na seleção da Jamaica. O destaque da partida foi a atacante Cristiane, que marcou três gols. Principal jogadora do Brasil e seis vezes melhor do mundo, a craque Marta ficou no banco, por estar voltando de lesão.

Já no masculino, outro passeio. A Seleção treinada por Tite fez seu último amistoso preparatório para a Copa América e goleou a seleção de Honduras. 7 a 0, com destaque para as grandes atuações de Philippe Coutinho, Richarlison e Gabriel Jesus. A equipe brasileira estreia na Copa América na próxima sexta-feira (14).

Seleções do Brasil tem domingo dos sonhos mas não podem se iludir

Gabriel Jesus marcou duas vezes no amistoso contra Honduras – Crédito da foto: Lucas Figueiredo/CBF

Desafios maiores

Apesar do bom momento, ambas as seleções nacionais não podem se acomodar. A Jamaica, adversária do Brasil no futebol feminino é só a 53ª colocada no ranking de equipes nacionais da FIFA. A participação das jamaicanas é também a primeira de uma seleção caribenha em mundiais.

Para se ter ideia, o Brasil, mesmo estando há um ano sem vencer até o jogo de ontem (09), ocupa a 10ª colocação no ranking.

As outras equipes no grupo do Brasil são Itália e Austrália, duas adversárias bem mais fortes. As seleções ocupam o 15° e o 6° lugar no ranking FIFA, respectivamente. No jogo entre as equipes, vitória italiana. 2 a 1 de virada, com direito a gol no último minuto.

Vadão e Emily

Apesar da goleada, há muito o que se questionar no trabalho do técnico Vadão, comandante das meninas. O treinador, sem o mínimo de experiência com o futebol feminino e com péssima relação com suas jogadoras está no comando da equipe não se sabe porque. Com declarações muitas vezes machistas e errôneas inclusive no cunho geográfico, o treinador se mostra totalmente despreparado para o desafio.

Além de tudo, o último trabalho de Vadão num dos clubes de topo do futebol brasileiro foi em 2001, no São Paulo.

O técnico já havia trabalhado na Seleção Feminina entre 2014 e 2016 e após ser substituído por Emily Lima, primeira treinadora mulher da história da Seleção, voltou ao cargo já em 2017. A sua volta foi bastante criticada, já no anúncio, vide o pouco tempo de trabalho que Emily teve à frente da equipe. E a decisão que já era questionável, se tornou ainda mais controversa quando Vadão passou a apresentar resultados muito piores que os da antiga treinadora. Mas mesmo após ficar um ano sem ganhar um jogo se quer, o treinador foi mantido. Ao contrário da ex-técnica que saiu após apenas 13 jogos, dos quais foram sete vitórias, um empate e cinco derrotas.

Logo após a demissão de Emily, algumas atletas de peso, como a atacante Cristiane, se posicionaram contra o desligamento e alegaram que não defenderiam o Brasil em forma de protesto.

Seleções do Brasil tem domingo dos sonhos mas não podem se iludir

Meninas do Brasil comemoram um dos três gols de Cristiane – Crédito da foto: FIFA/Getty Images

Busca pela estabilidade

A Seleção Masculina também vem de bons resultados, duas vitórias contra Catar e Honduras, mas não pode se iludir. As duas seleções enfrentadas são infinitamente piores e incapazes de oferecer qualquer perigo ao time canarinho.

Mas na Copa América, o buraco é bem mais embaixo. Seleções de primeira linha, com a Argentina de Messi e Agüero e o Uruguai de Suárez e Cavani, farão muito mais frente ao Brasil. Outras equipes em ascensão, como Venezuela e Equador, também podem causar problemas.

Neymar

Recheada de craques como Coutinho, Roberto Firmino e Alisson, o problema da Seleção Brasileira não chega a ser técnico, mas sim de equilíbrio. O plantel passou por momentos de instabilidade proporcionados principalmente pelas polêmicas envolvendo o atacante Neymar, recentemente acusado de estupro. E logo em seguida o time viu o próprio camisa 10 se lesionar e ser cortado da competição.

Por isso a Seleção terá que buscar um equilíbrio sem seu maior craque, fato que pode ser inclusive positivo, vide o momento do jogador fora de campo.

Também há de se levar em conta que sem Neymar, a Seleção consegue jogar mais coletivamente. Quando o craque está em campo, seus companheiros procuram sempre tocar para ele, deixando assim o time “torto”. E com um histórico de individualismo e excesso de simulações com a amarelinha, o craque acaba atrapalhando mais que ajudando.

Com o corte de Neymar, também se torna possível a melhor distribuição dos atletas em campo. Por exemplo, Philippe Coutinho, um dos grandes nomes do time, é retirado da sua posição de origem para que o 10 jogue. Sem o atacante em campo, Coutinho pode jogar na ponta esquerda e explorar suas principais qualidades.

Seleções do Brasil tem domingo dos sonhos mas não podem se iludir

Philippe Coutinho é quem mais pode ser beneficiado sem Neymar em campo – Crédito da foto: Lucas Figueiredo/CBF

Próximos jogos

As seleções voltam à campo ainda nesta semana. A Feminina joga na quinta-feira (13), às 13h para enfrentar a Austrália. Já os homens estreiam na Copa América na sexta-feira (14), às 21h30, contra a Bolívia.

Tags :

Postado em 10 de junho de 2019