Copa AméricaCopa do MundoCopa do Mundo FemininaEsporteFutebolFutebol FemininoFutebol InternacionalNeymarSeleção Brasileira

Seleções do Brasil têm domingo dos sonhos, mas não podem se iludir

Mulheres estreiam na Copa do Mundo com passeio e homens fazem sete a zero

As Seleções Brasileiras tiveram um domingo dos sonhos, tanto no futebol feminino quanto no masculino. Primeiro, na manhã deste domingo (09), a Seleção feminina estreou na Copa do Mundo com um grande resultado. As meninas do Brasil fizeram 3 a 0 na seleção da Jamaica. O destaque da partida foi a atacante Cristiane, que marcou três gols. Principal jogadora do Brasil e seis vezes melhor do mundo, a craque Marta ficou no banco, por estar voltando de lesão.

Já no masculino, outro passeio. A Seleção treinada por Tite fez seu último amistoso preparatório para a Copa América e goleou a seleção de Honduras. 7 a 0, com destaque para as grandes atuações de Philippe Coutinho, Richarlison e Gabriel Jesus. A equipe brasileira estreia na Copa América na próxima sexta-feira (14).

Seleções do Brasil tem domingo dos sonhos mas não podem se iludir
Gabriel Jesus marcou duas vezes no amistoso contra Honduras – Crédito da foto: Lucas Figueiredo/CBF

Desafios maiores

Apesar do bom momento, ambas as seleções nacionais não podem se acomodar. A Jamaica, adversária do Brasil no futebol feminino é só a 53ª colocada no ranking de equipes nacionais da FIFA. A participação das jamaicanas é também a primeira de uma seleção caribenha em mundiais.

Para se ter ideia, o Brasil, mesmo estando há um ano sem vencer até o jogo de ontem (09), ocupa a 10ª colocação no ranking.

As outras equipes no grupo do Brasil são Itália e Austrália, duas adversárias bem mais fortes. As seleções ocupam o 15° e o 6° lugar no ranking FIFA, respectivamente. No jogo entre as equipes, vitória italiana. 2 a 1 de virada, com direito a gol no último minuto.

Vadão e Emily

Apesar da goleada, há muito o que se questionar no trabalho do técnico Vadão, comandante das meninas. O treinador, sem o mínimo de experiência com o futebol feminino e com péssima relação com suas jogadoras está no comando da equipe não se sabe porque. Com declarações muitas vezes machistas e errôneas inclusive no cunho geográfico, o treinador se mostra totalmente despreparado para o desafio.

Além de tudo, o último trabalho de Vadão num dos clubes de topo do futebol brasileiro foi em 2001, no São Paulo.

O técnico já havia trabalhado na Seleção Feminina entre 2014 e 2016 e após ser substituído por Emily Lima, primeira treinadora mulher da história da Seleção, voltou ao cargo já em 2017. A sua volta foi bastante criticada, já no anúncio, vide o pouco tempo de trabalho que Emily teve à frente da equipe. E a decisão que já era questionável, se tornou ainda mais controversa quando Vadão passou a apresentar resultados muito piores que os da antiga treinadora. Mas mesmo após ficar um ano sem ganhar um jogo se quer, o treinador foi mantido. Ao contrário da ex-técnica que saiu após apenas 13 jogos, dos quais foram sete vitórias, um empate e cinco derrotas.

Logo após a demissão de Emily, algumas atletas de peso, como a atacante Cristiane, se posicionaram contra o desligamento e alegaram que não defenderiam o Brasil em forma de protesto.

Seleções do Brasil tem domingo dos sonhos mas não podem se iludir
Meninas do Brasil comemoram um dos três gols de Cristiane – Crédito da foto: FIFA/Getty Images

Busca pela estabilidade

A Seleção Masculina também vem de bons resultados, duas vitórias contra Catar e Honduras, mas não pode se iludir. As duas seleções enfrentadas são infinitamente piores e incapazes de oferecer qualquer perigo ao time canarinho.

Mas na Copa América, o buraco é bem mais embaixo. Seleções de primeira linha, com a Argentina de Messi e Agüero e o Uruguai de Suárez e Cavani, farão muito mais frente ao Brasil. Outras equipes em ascensão, como Venezuela e Equador, também podem causar problemas.

Neymar

Recheada de craques como Coutinho, Roberto Firmino e Alisson, o problema da Seleção Brasileira não chega a ser técnico, mas sim de equilíbrio. O plantel passou por momentos de instabilidade proporcionados principalmente pelas polêmicas envolvendo o atacante Neymar, recentemente acusado de estupro. E logo em seguida o time viu o próprio camisa 10 se lesionar e ser cortado da competição.

Por isso a Seleção terá que buscar um equilíbrio sem seu maior craque, fato que pode ser inclusive positivo, vide o momento do jogador fora de campo.

Também há de se levar em conta que sem Neymar, a Seleção consegue jogar mais coletivamente. Quando o craque está em campo, seus companheiros procuram sempre tocar para ele, deixando assim o time “torto”. E com um histórico de individualismo e excesso de simulações com a amarelinha, o craque acaba atrapalhando mais que ajudando.

Com o corte de Neymar, também se torna possível a melhor distribuição dos atletas em campo. Por exemplo, Philippe Coutinho, um dos grandes nomes do time, é retirado da sua posição de origem para que o 10 jogue. Sem o atacante em campo, Coutinho pode jogar na ponta esquerda e explorar suas principais qualidades.

Seleções do Brasil tem domingo dos sonhos mas não podem se iludir
Philippe Coutinho é quem mais pode ser beneficiado sem Neymar em campo – Crédito da foto: Lucas Figueiredo/CBF

Próximos jogos

As seleções voltam à campo ainda nesta semana. A Feminina joga na quinta-feira (13), às 13h para enfrentar a Austrália. Já os homens estreiam na Copa América na sexta-feira (14), às 21h30, contra a Bolívia.

Facebook Comments

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios