19.5 C
Belo Horizonte
sexta-feira, 12 agosto 2022

Para que servem as teclas de F1 a F12 nos computadores

Você sabe para que servem todas as teclas de funções rápidas?

Conheça o Rumble, plataforma que quer rivalizar com o Youtube

Monopólio das bigtechs tem incomodado alguns pilares da internet
Portal Mais MinasTecnologiaCaixas bluetooth são tendências para o alto verão nas praias brasileiras

Caixas bluetooth são tendências para o alto verão nas praias brasileiras

As caixas bluetooth são quase unanimidade nas praias brasileiras, principalmente durante o verão. O Sol quente, aquela “pelada” na areia, o funk carioca, ou o mesmo um bom samba e uma bebida bem gelada são elementos que formam um momento todo tropical. 

Contudo, o gosto do brasileiro pelas caixas não se limita à praia. A portabilidade, facilidade em poder ouvir as músicas favoritas onde e quando quiser faz com que muitos andem com suas “caixinhas” embaixo no braço para qualquer lugar. 

No caso do mineiro, que não tem praia, porém tem muitos lugares bonitos para passear, é possível encontrá-lo levando sua caixa de som nos mais diversos lugares, como na Lagoa da Pampulha, por exemplo. 

É muito difícil encontrar um jovem que não possua um aparelho desses. Afinal o povo brasileiro é um dos mais festivos do mundo, logo é possível ouvir música dentro dos ônibus, metrôs, nos semáforos, lojas, enfim, elas já fazem parte do cotidiano das pessoas. Muitas vezes sendo até mesmo o “pivô” de conflitos, afinal se tratando de som, sempre haverão aqueles que optam pelo silêncio. 

Tipos de caixas de som 

De olho nessa tendência que prevalece há mais de 5 anos, o mercado das caixas de som com bluetooth vêm se atualizado, de acordo com as necessidades de um público cada vez mais exigente, ou em busca de novidades. 

Por isso o formato, a potência, a cores, luzes e recursos oferecidos estão cada vez mais inovadores e intuitivos, tudo para facilitar a vida do ouvinte. 

Formatos e tamanhos 

Caixas redondas e pequenas são mais em conta em termos de valores. Elas podem ser adquiridas a partir de R $50. Apesar de caber em qualquer bolsa ou até mesmo bolso, o consumidor deve ter cuidado ao avaliar a qualidade e potência do áudio, pois, geralmente essas caixas pequenas, por mais que possua uma boa potência podem pecar na qualidade de graves, sobressaindo apenas sons médios e agudos. 

Também é preciso avaliar a duração da bateria, que em alguns casos duram pouquíssimo tempo, deixando o consumidor que resolver levar o aparelho para a rua, na mão.

Apesar disso, caixas maiores também não garantem nem qualidade, nem potência e muito menos durabilidade da bateria. Não é o tamanho da caixa bluetooth que vai definir o seu valor e sim o comprometimento da marca. 


Há diversas opções de formatos, eles podem ser quadrados, redondos, achatados, retangulares, ovais, também as famosas JBL Boombox que parecem um canudo, entre outros. 

Assim com o tamanho, pode ser 7 centímetros por 9 centímetros ou daquelas bem grandes, que muitas vezes necessitam de carrinho para serem transportadas, ou já vem com rodinha e puxador (tipo mala), como as que possuem meio metro de altura e largura. 

Dicas para escolher a caixa que melhor te atenda

Algumas observações podem ajudar a  escolher a melhor opção de caixa, veja!

  • É importante observar as descrições escritas nas embalagens, para realizar uma melhor escolha do produto;
  • Avalie em quais ambientes, internos e externos, mais irá usar o aparelho;
  • Análise a capacidade da bateria interna;
  • Quanto mais alto o som, mais a bateria interna irá consumir energia;
  • Saber qual é a impedância da caixa, pois ela controla o transporte do som para os amplificadores. Quando ela é muito baixa, a tendência é que o som saia “rachando”;
  • Sondar se é a prova d’água;
  • O número de auto-falantes;
  • Analisar a potência de saída ;
  • O material usado para a produção, se é muito frágil ou reforçado;
  • Se reproduz vídeo e
  • Quais acessórios vem junto (cabos, fonte, microfone, fone).

Pé na areia! 

Embora seja bastante comum ouvir música nas praias, os conflitos acabam sendo muitos. Pois ao mesmo tempo em que uma “turma” gosta de um som alto e potente para embalar a “festa” na praia, outro grupo prefere ouvir o som da natureza. 

No Litoral Sul de São Paulo e em outras praias brasileiras já é terminantemente proibido o uso de caixas de som na praia. 

Na cidade de Santa Catarina, quem ousar ligar uma caixa de som, de qualquer tamanho, ou “quaisquer outros equipamentos que causem perturbação ao sossego público”, está sujeito a receber uma multa de até R$ 700. 

O que vale mais, o prazer de ouvir uma música ou o direito de se conectar com a natureza?

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: