CatolicismoEntretenimentoFilmes

‘A Paixão de Cristo’ e a visão cinematográfica de Mel Gibson sobre a morte de Jesus

“A Paixão de Cristo” (“The Passion of the Christ”) é um filme bíblico lançado em 2004, escrito, produzido e dirigido por Mel Gibson. O longa retrata a Paixão de Jesus, de acordo com os Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João, pertencentes ao Novo Testamento. Parte do filme também foi inspirado no livro “A Dolorosa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo”, do poeta e romancista alemão Clemens Brentano (1778-1842).

Primeiro de tudo, há a estrutura narrativa de “A Paixão de Cristo”. Gibson não deseja fornecer um esboço de toda a vida de Cristo. Ele se concentra no período de tempo desde a oração no jardim de Getsêmani até a morte na cruz. Para condensar um dos dias mais conhecidos da história em duas horas de filme, uma narrativa linear-cronológica é utilizada sendo intercalada flashbacks da vida de Jesus, que dão origem ao contexto que deveria transmitir a explicação teológica para os tormentos de Cristo.

De uma dúzia de flashbacks inseridos, dois podem ser descritos como magistralmente bem-sucedidos porque não são apenas flashbacks curtos, mas cresceram em verdadeiras montagens paralelas. É assim que Gibson corta a instituição da Eucaristia paralela à morte de Cristo na cruz: depois que Jesus diz no Cenáculo: “Este é o meu corpo”, um corte agudo segue o corpo castigado e pendurado de Cristo. Isto é seguido por um corte no Cenáculo: “Este é o meu sangue”, diz Jesus; o filme corta novamente no Gólgota, onde o sangue de Cristo pinga da cruz.

Uma montagem paralela semelhante fornece um dos momentos mais emocionantes do filme, quando Jesus novamente cai sob o peso da cruz e Maria corre para ele, como aconteceu quando o menino Jesus tropeçou em Nazaré. Essa cena é uma adição de Gibson, que obviamente está ancorada na tradição cristã, mas autores espirituais associaram o encontro de Cristo com sua mãe no Caminho da Cruz às lembranças da infância de Jesus.

As imagens brutais da flagelação e crucificação de Cristo são angustiantes. Certamente, não muito suportável para alguns espectadores. Segundo o testemunho de Gibson, seu retrato do sofrimento de Cristo remonta às visões escritas por Clemens Brentano da freira católica Anna Katharina Emmerick (1774-1824). No livro “A Dolorosa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo” há relatos da freira sobre visões de acontecimentos descritos nos Evangelhos concernentes à paixão de Cristo com riquezas de detalhes sobre o sofrimento de Jesus durante o seu processo de crucificação.

Na maioria das vezes, a câmera faz uma pausa para obter um “close” do rosto desfigurado de Jesus, mas sempre composto, de sua mãe. Nas sequências mais longas, o trabalho da câmera parece harmonioso: sempre dá pequenas pausas na respiração quando se olha o sofrimento de Cristo. Por outro lado, a seleção de atores acaba sendo inconsistente. Alguns têm forte presença na tela: sobretudo Maria Madalena, de Monica Bellucci, que oferece uma performance magistral. Também são lembrados Simão de Cirene, Veronica e a figura andrógina do diabo.

Mel Gibson fez seu filme nas línguas históricas quase extintas – aramaico, latim e hebraico – sem dublagem, apenas com legendas – e isso é uma exigência dele para vender o filme. Uma decisão sábia que impede o uso de linguagem inapropriada. As línguas originais também dão ao filme um caráter quase documental. Somente com a música Gibson não fez uma escolha tão boa: em algumas cenas parece patético demais, bombástico demais.

No elenco estão James Caviezel, como Jesus; Maia Morgenstern, como Maria; Monica Bellucci, como Maria Madalena; Hristo Jivkov, como João; Francesco DeVito Saint, como Pedro; Mattia Sbragia Yosef, como Caifás; Luca Lionello, como Judas Iscariotes; Luca De Dominicis, como Herodes; Pietro “Pedro” Sarubbi, como Barrabás; e Rosalinda Celentano, como Satanás; entre outros.

Assista o trailer:

Leia também: Sexta-feira Santa: memória da Paixão e Morte de Jesus Cristo

Comentários do Facebook
Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar