Ultimate magazine theme for WordPress.

O Curso de Bordado da FAOP e sua importância para a comunidade

O  bordado, na Fundação de Arte de Ouro Preto| FAOP, teve suas origens há quinze anos, quando o então Núcleo de Arte inaugurou o curso “55+Arte” com o objetivo de desenvolver diversas expressões artísticas com mulheres a partir dos 55 anos de idade, desde colagens com papel a trabalhos com costura. O bordado ganhou destaque entre as turmas, e com o passar do tempo, tornou-se o foco exclusivo do curso. 

Em uma descrição simples, o bordado é a arte de decorar utilizando linhas e agulha, mas para as participantes do curso, ou melhor, para as “bordadeiras da FAOP”, como são conhecidas, o aprendizado e prática dessas técnicas representam além do desenvolvimento de habilidades, a possibilidade também de desenvolver processos criativos e autorais. As aulas envolvem pesquisas, o resgate de referências afetivas e culturais, e, de uma forma muito especial, a oportunidade de convívio e ricas interações sociais.

Campanha Unimed
Foto: Luiza Magalhães/FAOP

Muito além de linhas e agulhas: curso oferece interações e novas experiências 

Ana Célia Teixeira, responsável por conduzir o curso desde seu início, explica que além das aulas teóricas-práticas, que instruem sobre técnicas e apresentam referências de artistas bordadores, o curso também oferece visitas orientadas a museus e exposições, bem como excursões para pesquisa, atividade que faz sucesso entre as alunas. “Esses momentos são sempre marcantes para elas, principalmente para aquelas que não tinham oportunidade de conhecer esses locais, que ampliam o olhar para a arte”, afirma a professora. 

Maria do Carmo, aluna do curso há vários anos, conta que adora esses passeios. Ela já tinha costume de visitar espaços culturais, principalmente por ter sido professora, mas confessa que as excursões com a turma de amigas são muito diferentes. “Além das exposições, já fizemos visitas a outras cidades e distritos, por exemplo, a Santo Antônio do Leite, quando aproveitamos pra passar a tarde chupando jabuticaba, conversando sobre a vida, uma experiência fantástica”, relata.

O grupo costuma se encontrar uma vez por semana, mas as poucas horas de convívio as fazem se sentir próximas umas das outras, construindo uma rede de apoio, não só para os aprendizados em bordado, mas também para as questões pessoais. Conceição Romualdo participa do curso há cerca de 12 anos e afirma que as aulas são importantes para ela, que é por meio delas que tem suas principais interações, por não ter o costume de sair para outros locais. O curso também ajuda Conceição a se recuperar da depressão e a expressar seus sentimentos: “O bordado é muito importante, me deu oportunidade de fazer um trabalho autoral, onde consegui expressar todo o meu passado, as minhas dores, frustrações e alegrias. Eu tenho dificuldade de me expressar pela fala, e através do desenho e do bordado eu consegui”, declara.  

Alunas expõem obras em exposição final aberta ao público

Depois de todo um semestre de estudo e prática, acerca de um tema escolhido coletivamente, as alunas reúnem seus trabalhos para uma exposição final aberta ao público, onde a comunidade pode conhecer e apreciar as expressões artísticas individuais e na maioria das vezes, coletiva. “Paisagens de Guignard”, “A Estrada Real” e “Os pássaros brasileiros” e “Vida e obra de Nello Nuno” foram alguns dos temas já explorados pelas turmas.  

Por outro viés, individualmente, como artista, a aluna Conceição Romualdo vem apresentando a série “A menina do cabelo de flores”,  e explica que, apesar das dificuldades de estar em público, adora as exposições pelo carinho e reconhecimento que recebe. “Teve um pessoal de São Paulo que conheceu meu trabalho na exposição, me deixou uma carta, e nos falamos até hoje. Também já enviei obras minhas pra Alemanha, Suíça e outras cidades”, revela a bordadeira, orgulhosa de seus feitos. 

Curso é aliado do bem-estar das bordadeiras da FAOP durante quarentena 

Durante o período de pandemia do coronavírus as atividades continuaram, de forma adaptada, orientadas pela professora Ana Célia. A aluna Júlia Loreto conta que praticamente todos os trabalhos estão prontos e que o bordado está tornando o isolamento algo mais leve, “acho que as colegas também pensam assim. O ruim é a gente não poder se encontrar, para os momentos de alegria e descontração”, explica. As orientações e questionamentos estão sendo realizados através de um grupo no WhatsApp, onde também são compartilhadas referências e ideias para trabalhos visando uma próxima exposição, que talvez aconteça no segundo semestre de 2021.

A presidente da Fundação, Júlia Mitraud, ressalta a importância do curso e a felicidade na continuação das atividades à distância durante a pandemia: “É motivo de muito orgulho para todos nós que fazemos parte da instituição,  saber que os bordados continuam fazendo a diferença na vida dessas mulheres, mesmo com as limitações, físicas e técnicas impostas pelo momento”.  

Por conta da necessidade de isolamento social – ainda mais para a faixa etária da maioria das alunas, embora, hoje, o curso seja aberto a pessoas a partir de 18 anos e de ambos os sexos – ainda não existe previsão para o início de novas turmas, mas a FAOP estuda alternativas e é possível que isso aconteça no próximo semestre.

Inscreva-se para RECEBER diariamente uma lista com as nossas principais notícias. É GRATUITO!

Não enviamos spam! Leia nossa política de privacidade para mais detalhes.

COMENTÁRIOS