Celso Adolfo faz show na Casa de Juscelino, em Diamantina

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Incêndio em fábrica de Ribeirão das Neves deixa uma pessoa ferida

Um senhor de idade ainda não divulgada foi vítima das chamas que atingiram a fábrica de tecido Ematex, localizada...

Vale é obrigada a retirar animais de área de barragem em Ouro Preto

Após elevação do nível 2 de emergência na mina Doutor, em Ouro Preto, ocorrida na última quarta-feira, 1º de...

Cadastro para receber auxílio emergencial de R$ 600 começará na terça-feira (7)

O Governo Federal lança na próxima terça-feira (07.04) um aplicativo para os trabalhadores sem cadastro nos programas sociais inserirem...

Como higienizar compras feitas por delivery durante a quarentena

Os brasileiros que já estavam se adaptando aos aplicativos que oferecem o serviço de delivery de comida pronta, como...

Praça da Liberdade e Parque JK são interditados pela Prefeitura de Belo Horizonte para evitar aglomerações

A partir do próximo sábado (4), a Praça da Liberdade, no bairro Funcionários, e o Parque JK, no bairro...

A programação artística da Casa de Juscelino, no Centro Histórico de Diamantina, está a todo vapor. O memorial será palco, no sábado, 9 de novembro, às 19 horas, para o show do músico Celso Adolfo. O compositor e violonista apresentará seu nono disco “Remanso de Rio Largo”, que traz 16 canções inspiradas na obra Sagarana, do escritor Guimarães Rosa. Gravado em 2018, o álbum pode ser considerado uma trilha sonora para o livro.

Nascido em São Domingos do Prata, região metropolitana de Belo Horizonte, Celso, que começou sua carreira em 1983 com o LP Coração brasileiro, produzido por Milton Nascimento, apoiou-se no cenário do interior de Minas Gerais para a construção de suas obras, que tem no violão um grande destaque, instrumento muito apreciado por JK e que também faz parte de sua história.

“Remanso de Rio Largo” contém ritmos heterogêneos que ajudam a retratar ainda mais o Estado, entre os quais estão: coco, calango, batuque, samba, cateretê e baladas livres. “As músicas do álbum foram inspiradas nas nove novelas de Sagarana, preservando todas as características mineiras presentes no livro”, destaca o músico.

No ano passado, Celso esteve em Cordisburgo (MG), terra natal de Rosa, nas comemorações do cinquentenário de morte do escritor. “Lá toquei as canções do Remanso de Rio Largo. Agora, apresentarei as mesmas músicas na Casa de Juscelino. Esses momentos e locais são especiais para a história de Minas e tocar em nome desses grandes homens é uma honra”, compartilha.

Programação cultural

Com o intuito de manter a memória e o legado histórico e cultural de Juscelino, o memorial receberá shows, oficinas e palestras ano até março de 2020. A iniciativa é resultado de um projeto, viabilizado por meio da Lei de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Cemig. A programação é conduzida pela Nó de Rosa Produções. A verba arrecada com a visitação ao memorial e com a presença nas atividades artísticas será destinada para a manutenção da Casa, que há 35 anos é um dos principais pontos turísticos da cidade.

Ainda é possível contribuir para a preservação do memorial, por meio de uma vaquinha online, disponível no site do memorial, na aba “apoio”. A plataforma permite que as pessoas doem a partir de R$25, até dia 31 de dezembro. Mais informações no casadejuscelino.com.br.

 

- Advertisement -