19.5 C
Belo Horizonte
quarta-feira, 28 setembro 2022

O que seria o básico?

Muito se fala sobre quando ocorre aumento...

Você não é só o que você come

Assim como selecionamos os alimentos que vamos...

Soluço tem solução

Quantas vezes já sofremos aquele comum incômodo...

“Sobre” pressão

Franciele Santana
Franciele Santana
Nutricionista, natural de Ouro Preto/MG, e uma admiradora da arte da escrita, almejo proporcionar saúde compartilhando meus conhecimentos de modo a agregar melhorias na vida do maior número de pessoas possível.

Ao aferir nossa pressão arterial estamos identificando a intensidade com que o fluxo de sangue passa pelas artérias. Os valores de referência são representados em milímetros de mercúrio (mmHg), sendo composto por duas medidas, denominadas como sistólica e diastólica.

Nossas artérias têm uma programação pré-estabelecida para trabalhar com determinados valores de pressão, desse modo a pressão arterial em excesso força o trabalho do coração, que necessita bombear o sangue e superar uma resistência maior, o que faz com que o coração comece a se dilatar ao longo do tempo, podendo provocar uma insuficiência cardíaca.

A pressão sistólica é o valor mais alto que aparece durante uma aferição e está ligada ao movimento de contração do coração. Ela mede a força que o sangue exerce contra as paredes das artérias enquanto os ventrículos se comprimem para empurrar sangue para o resto do corpo. Já a pressão diastólica é o valor mais baixo e está ligada ao relaxamento do coração e mede a força do sangue contra as paredes das artérias enquanto o coração relaxa e os ventrículos se enchem de sangue.

A pressão arterial considerada normal é a de 120 mmHg para a sistólica e 80 mmHg para a diastólica. Valores acima ou abaixo disso podem indicar problemas como hipertensão (pressão alta) e hipotensão (pressão baixa).

Simples mudanças no estilo de vida podem ajudar a controlar os fatores que alteram os níveis normais da pressão arterial. Tanto nos casos de hipertensão quanto de hipotensão, a díade alimentação adequada e prática regular de exercícios físicos é eficaz na melhora dos parâmetros, o que não dispensa o acompanhamento médico de rotina.

* Esse texto é um artigo de opinião do colunista e pode não representar a posição do portal Mais Minas sobre o assunto.

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: