O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Cruzeiro pode ser vendido ao sheik do Newcastle? Entenda

O sheik comprou o Newcastle, da Inglaterra, por cerca de R$ 2,2 bilhões, o que tornou o clube em um dos mais ricos do mundo e, de acordo com a imprensa estrangeira, ele estaria interessado em investir em clubes sul-americanos, tendo a Raposa como seu principal alvo.

Rômulo Soares 18 de outubro de 2021 às 12:18
Tempo de leitura
4 min
Foto: Fayez Nureldine/AFP
Foto: Fayez Nureldine/AFP

Uma especulação que balançou as redes sociais nesse final de semana foi sobre a possibilidade do príncipe Mohammed Bin Salman, herdeiro da Arábia Saudita, comprar o Cruzeiro. Recentemente, o sheik comprou o Newcastle, da Inglaterra, por cerca de R$ 2,2 bilhões, o que tornou o clube em um dos mais ricos do mundo e, de acordo com a imprensa estrangeira, ele estaria interessado em investir em clubes sul-americanos, tendo a Raposa como seu principal alvo.

O primeiro a noticiar sobre tal possibilidade foi o jornal Libero, da Itália, que divulgou no início da última semana que o príncipe, após adquirir o Newscastle, estaria interessado em comprar o Inter de Milão, Olympique de Marselha e um clube brasileiro. O mesmo site mencionou, inclusive, as boas relações que Bin Salman tem com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, (sem partido), o que poderia facilitar a negociação.


No último sábado, 16 de outubro, o tradicional jornal esportivo da Espanha, As, citou o Cruzeiro entre os clubes brasileiros que poderiam interessar o sheik. “Há várias entidades no país que atravessam graves problemas financeiros e poderiam ser objeto de uma compra, como, por exemplo, o Cruzeiro”, escreveu.

A história ganhou ainda mais força após o canal argentino TycSports publicar, através do Twitter, que o Cruzeiro é um dos clubes favoritos no Brasil para receber o investimento do príncipe árabe.

“Depois de sua chegada ao Newcastle com um investimento bilionário, o príncipe Mohammed bin Salman agora analisa a possibilidade de ampliar seu controle a outros clubes da Europa e também da América do Sul, com Brasil e Cruzeiro como principais favoritos”, disse o TycSports

Impasse

Apesar de toda a especulação, de acordo com a rádio Itatiaia, não há nenhuma conversa em andamento. Para haver uma negociação desse tipo, é preciso esperar o ano que vem, por conta da legislação brasileira.

Jair Bolsonaro sancionou parcialmente, ainda em agosto deste ano, o Projeto de Lei 5516/2019 que cria no país a Sociedade Anônima do Futebol (SAF). Com isso, o Cruzeiro já poderia dar andamento no processo de implantação, pois o Conselho Deliberativo aprovou, no mesmo mês, a constituição do clube-empresa em assembleia, com 217 votos a favor, seis contras e um nulo.

A implantação de um clube-empresa é visto com bons olhos pelos conselheiros cruzeirenses por conta da grave crise financeira que o clube vive. Para muitos, é a melhor alternativa para salvar a instituição da falência.

Porém, ao mesmo tempo, Bolsonaro vetou dispositivos que implicavam em renúncia de receita por parte da União por entender que violaria a Lei de Responsabilidade Fiscal e a Lei de Diretrizes Orçamentárias.

Clube-empresa: o que muda?

Com a implantação da SAF, o Cruzeiro seria dividido em dois CNPJs: a associação esportiva e os eventuais investidores. A “Associação Cruzeiro” permaneceria como acionista majoritária, com 51% do capital social, podendo vender até 49% da outra parte. Atualmente, o clube ainda é uma associação esportiva sem fins lucrativos, sem ações e detém 100% dos direitos de capital.

Para que o Cruzeiro se torne um clube-empresa e esteja apto a receber o investimento árabe, os trâmites administrativos e jurídicos precisariam estar integralmente regularizados, o que só seria possível em janeiro do ano que vem.

De acordo com o presidente do Cruzeiro, Sérgio Santos Rodrigues, os trâmites para tornar a instituição em um clube-empresa terão início em dezembro deste ano.

Inscreva-se no nosso boletim informativo

Inscreva-se para receber as principais notícias veiculadas no nosso site em sua caixa de entrada, uma vez por dia.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 18 de outubro de 2021 às 12:19