20.4 C
Belo Horizonte
segunda-feira, 5 dezembro 2022

Renova Excursão

Em grupo complicado, Tunísia tentará passar de fase e chocar o mundo na Copa do Catar

Sem muita tradição no futebol, Seleção enfrentaria dificuldades em praticamente qualquer grupo que caísse neste mundial

Sem muita tradição no futebol, a Tunísia enfrentaria dificuldades em praticamente qualquer grupo que caísse neste mundial. Mas quis o destino que a seleção africana tivesse como adversárias duas das mais fortes equipes europeias que disputarão a Copa do Mundo: França, a atual campeã e uma das favoritas, e Dinamarca, uma das gratas surpresas da última Eurocopa. Além disso, uma Austrália com experiência de mundiais completa o páreo duro.

Pela discrepância de forças entre as envolvidas, fica claro que a Tunísia entra com baixas expectativas para essa a Copa de 2022, talvez esperando não ser o saco de pancadas que todos apostam, e para isso, o treinador Jalel Kadri terá que montar fortes esquemas defensivos, talvez o maior trunfo desta seleção.

Antes de enfrentar — e ser goleada por 5 a 1 — o Brasil em um amistoso, no último dia 27 de setembro, a Tunísia vinha de oito meses sem perder, não tendo sofrido nenhum gol no período. E dentre os adversários estiveram as seleções de Chile e Japão, que apesar de não viverem seu auge técnico, possuem bons jogadores.

Caso consiga arrancar um empate com uma das favoritas, ou até mesmo uma vitória contra a Austrália, considerada a terceira força do grupo, a Tunísia pode almejar algo mais que simplesmente uma participação apagada e, dentro de suas perspectivas, fazer história.

+ Grupo B: conflitos históricos marcam encontros entre Inglaterra, Irã, País de Gales e Estados Unidos

E a grande esperança defensiva está em Dylan Bronn, zagueiro da Salernitana, da Itália, que foi expulso na goleada sofrida contra o Brasil, mas que é o ponto forte da defesa tunisiana.

A Tunísia e sua esperança ofensiva

Se a defesa é o principal trunfo para que a Tunísia alcance melhor sorte na Copa do Mundo do Catar, o ataque possui peças interessantes que, em caso de zebra, são candidatas a surpreenderem.

+ No Catar, México luta contra o estigma de “jogar como nunca e perder como sempre”

O meia-atacante e camisa 10 Wahbi Khazri talvez seja a principal delas. O jogador de 31 anos tem vasta experiência no futebol europeu, tendo atuado em França e Inglaterra. Atualmente, o atleta defende o Montpellier, 14º colocado do Campeonato Francês, tendo feito dois gols e uma assistência em onze jogos.

Na última temporada, atuando também no Campeonato Francês, pelo Saint-Étienne, foram 10 gols em 30 partidas.

Outro jogador que pode ser um destaque é o meio-campista Aïssa Laïdouni, do Ferencváros, da Hungria. O jogador tem 25 anos e talvez tenha espaço em ligas mais fortes nos próximos anos.

Outro jogador do meio para frente que pode ser uma esperança da Tunísia nesta Copa do Catar é um jovem meia com nome de filme e contrato com um clube gigante da Europa: Hannibal Mejbri, de 19 anos, atua no Birmingham City, da segunda divisão inglesa, emprestado pelo poderoso Manchester United. Nesta temporada, a promessa jogou 15 jogos, dando duas assistências.

  • Time base (4-3-3): Aymen Dahmen (Bechir Ben Said); Mohamed Dräger, Montassar Talbi, Bilel Ifa e Ali Maâloul; Ellys Shkiri (Ghaylen Chaaleli), Aïssa Laïdouni e Anis Slimane; Youssef Msakni, Naïm Sliti (Ben Slimane) e Wahbi Khazri (Seifeddine Jaziri).
  • Técnico: Jalel Kadri
  • Capitão: Youssef Msakni
  • Destaque: Wahbi Khazri
  • Jogos: Dinamarca (22/11); Austrália (26/11) e França (30/11).
  • Prognóstico: Última colocada no grupo
  • Melhores participações: 1978 (terceiro lugar no grupo)
  • Ídolos históricos: Sadok Sassi e Wahbi Khazri
  • Maior goleador: Issam Jemâa (34 gols)
  • Jogador que mais vezes atuou: Sadok Sassi (110 jogos)

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: