Gabarito oficial do Enem 2019 é divulgado nesta quarta-feira (13)

por Rodolpho Bohrer

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou o gabarito oficial do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, nesta quarta-feira (13). Para ter acesso ao conteúdo, o candidato interessado deverá acessar o portal do Inep ou o aplicativo oficial do Enem.

No gabarito é encontrado as respostas de cada questão das duas provas aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro. Mas o número de acertos não será, necessariamente, a nota final do participante. Isso porque na correção do Enem é utilizado um modelo de estatística que considera o nível de dificuldade da questão e avalia a prova do candidato de acordo com cada tipo de conteúdo, sendo eles: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias; Ciências da Humanas e suas Tecnologias; Ciências da Natureza e suas Tecnologias; Matemática e suas Tecnologias. Esse método é chamado de Teoria de Resposta ao Item (TRI).

A Teoria de Resposta ao Item (TRI) é uma metodologia de avaliação que não contabiliza apenas o número de acertos na prova, mas utiliza três critérios para manter seu sistema “antichute”. São eles: poder de discriminação, que é a capacidade de um item distinguir os estudantes que têm a proficiência requisitada daqueles quem não a têm; grau de dificuldade; e possibilidade de acerto ao acaso (chute).

As notas oficiais individuais serão divulgadas em janeiro de 2020.

Enem

No último domingo (10), foi realizado o segundo e último dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019. Essa foi a prova com a menor taxa de participantes ausentes desde 2009. Foram, ao todo, 5,1 milhões de inscritos e, no segundo dia, 3,7 milhões de participantes, correspondendo a 72,9% de comparecimento, superando a edição de 2015, em que compareceram 72,67% de candidatos. No primeiro dia, apenas 1,2 milhão não compareceram, um percentual de 23%. Esses dados foram divulgados pelo Ministério da Educação e pelo Inep.

Tema da redação

O tema da redação do Enem 2019 foi “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”. A informação foi anunciada pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, através de um vídeo publicado em sua conta no Twitter.

Esse foi um tema extremamente inesperado pela maioria dos candidatos. Entretanto, analisando o cenário cultural do país desde que Bolsonaro assumiu, a pauta se torna atual. O presidente da República destituiu o Ministério da Cultura assim que ingressou no Palácio do Planalto e, além disso, propôs uma lei no Poder Legislativo que prevê o corte de 43% de recursos da Agência de Fomento das Produções Audiovisuais do país (Ancine).

Leia também: